Natalício do que me antecedeu

A sensação temporal pode agir de maneira diversa nas pessoas, algumas certamente dirão que o tempo lhes passa muito depressa, outras afirmarão que o tempo parece devagar nesta altura da vida, mas o fato é que a sensação de escoamento temporal é uma variável, um acidente de nossa consciência que funciona com todas percepções que coletamos durante a vida.

Neste dia de São Bernardino de Sena, um homem educado desde a tenra idade na fé católica e nos bons costumes, meu irmão mais velho, o que me antecedeu na árvore genealógica, completa mais um ano de vida e como tal, deve pensar no tempo que vive alavancado pelo tempo que já viveu. Ele certamente percebe - uma vez que tolo não é um de seus defeitos - que estes anos de vida nada significam sem a consciência de tudo o que presenciou e tudo o que pode aproveitar no instante vivido, bem como tudo o que, em determinado instante deixou, mas que agora serenamente pode aproveitar e ainda cuidar e colher. O tempo jamais será um campo infértil, jamais será uma tábua de madeira que apodrece com as querelas do clima, pois o tempo não existe como objeto bruto e imóvel, existe como eternidade e é percebido pela nossa consciência neste curto período em que vivemos nesta condição, para formar esta percepção consciente.


Meu irmão acaba revelando a mim, em mais um aniversário, o quanto também envelheço, o quanto também sustento-me nos anos vividos nesta condição e o quanto a vida em si, jamais será definida com perfeição quântica. Uma vida humana ciente de si mesma, onde jamais os acidentes existentes ludibriam e enganam nossas faculdades interiores, só podemos acreditar que exista fora desta condição, fora deste pequeno período de maturação da consciência do tempo eterno existente.


Comemorar o nascimento deste irmão mais velho, anterior a mim, parece ser mais que providencial numa ordem justa e eterna do equilíbrio divino de nossos acidentes existenciais, onde os mais danosos são as paixões que tão facilmente dividem, agridem e destroem.


Muitos filósofos tentaram coisificar a história, transformando o ser humano num ente rígido, de surgimento certo a partir do nascimento e destruição irremediável no momento de sua morte. Geralmente, antes do que nos mata existe o pensamento sobre o que nos pode matar e como encarar a morte. No entanto, a história humana não pode ser vista assim, desta forma como coisificação da vida, mas como imperfeita descrição de nossa maturação existencial para a eternidade. Neste sentido, não existem “histórias”, mas apenas história onde vidas existem para a eternidade.

Que os santos, como São Bernardino, intercedam sempre por você, meu irmão.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Continuando o assunto do artigo anterior, o suposto “otimismo exagerado” que possa revelar no que toca ao futuro da nação brasileira não tem relação com algum tipo de esperança momentânea, do tipo sen

Tenho deixado registrado algumas vezes em meu diário filosófico, ideias de inevitável crescimento cultural e moral da nação brasileira como um todo. Levando em consideração que a majoritária imagem q

No dia de ontem, escrevia no meu diário de pensamentos cotidianos: Se a percepção intelectual do indivíduo está necessariamente orientada pelo sentido democrático e consensual, então está falida a rac