A doença do esquerdista militante

A inescrupulosa atitude dos militantes de esquerda respalda a desconfiança de muitos - e certeza de outros - sobre a doença psíquica de que sofrem aqueles que encantam-se por qualquer ideologia que baseie-se nos argumentos marxistas.


É notório algumas atitudes como a negação de normas morais absolutas, e que leva os militantes esquerdistas a cegamente obedecerem os ditames de convenções proclamadas em assembleias ou por algum líder partidário qualquer, que por conta de sua dedicação, acaba se destacando dentro do grupo que milita por causas de raízes comuns.

Atitudes pontuais, como a negação de desvio moral de quem usa da justiça para prender um corrupto alinhado ao ideologismo de esquerda, não deve ser suplantado por outro motivo qualquer, ou seja, não podemos aceitar que esta tentativa de relativizar a retitude moral fique colocada de lado por medo de uma rejeição de tipo popular, pois não é a "grande massa" que decide o que é moral ou não, pois na verdade estes ditames já estão decididos pela lei divina e natural. Facilmente encontramos grupos ou indivíduos isolados, que publicamente revelam uma desobediência às normas morais que independem do raciocínio individual sobre determinadas questões da vida política. Por isso, tornou- se tão corriqueiro esperarmos manifestações esdrúxulas, vexatórias, sem nenhum pudor por parte de militantes esquerdistas, pois sua consciência já não trabalha com normas morais absolutas, mas relativou-se tudo o que corresponde a uma determinação correta do comportamento humano. Por este motivo, para um militante esquerdista têm muito sentido ficar nu às vistas de menores de idade, assim como faz sentido também, defecar em praça pública ou cuspir no rosto de mulheres em ambientes públicos.


O lema "o fim justifica os meios" nunca foi tão valorizado e posto em prática como na postura dos militantes de esquerda. "Tudo é correto se é para atingir o objetivo que a ideologia nos orienta a alcançar". Já vi professora de maternal declarando que, se preciso for, mataria uma pessoa para não vê-la vencer um candidato de esquerda, algo que colocaria em risco os objetivos da ideologia que a esquerda defende. Bizarrices como essa vemos aos montes nas redes sociais, algo que pode sair do campo narrativo e tornar-se ato concreto, como vimos no atentado que sofreu o Presidente da República ano passado. Assim, matar - que a moral absoluta nos diz ser sempre errado - passa a ser, na cabeça relativista de um esquerdista, algo bom, pois é necessário para se atingir o fim que a ideologia defendida pela esquerda orienta.


Enfim, digo que os militantes de esquerda sofrem uma "doença mental" neste sentido, de relativismo completo das normas morais, que deveriam ser absolutas para todos os indivíduos. Podemos chamar também de doença de consciência, mas quando verificamos a ignorância vencível que os militantes detêm, observamos que não se trata apenas de falta de consciência, mas da equação ignorância + relativismo (nem todo ignorante é um relativista moral), o que resulta numa formação desordenada que é calcificada com o tempo neste e que torna-se cegueira, bitolação, enfim, doença.



6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A sociedade como um todo é sempre suscetível a manipulação ideológica, visto a força aparente que a intencionalidade que cada grupo ideológico possui. Entender que a ideologia em si é uma força bruta

A existência humana parece muitas vezes fadada ao desaparecimento, especialmente quando o indivíduo se defronta com sua própria limitação, como a certeza da morte, por exemplo. Em agosto de 2021, publ

Fica cada vez mais clara uma certa aceitação da imoralidade através das músicas que estouram em sucessos relâmpagos. E já não podemos falar somente do estilo "funk" de cantar, mas em todos os estilos