Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

BEM VINDO

Realeza e Batismo em Nárnia

Quem foi coroado rei ou rainha de Nárnia sempre será rei e rainha ... seria isto uma alegoria do Sacramento do Batismo?

Quem já leu As crônicas de Nárnia ou já assistiu algum dos filmes produzidos sobre partes desta obra, sabe quem declarou esta verdade no mundo paralelo de Nárnia às quatro crianças que magicamente apareceram no mundo dos narnianos e onde viveram muitas aventuras. 

Esta leitura representa um clássico livro de fábulas que, através deste estilo, deseja falar alegoricamente de realidades, de verdades que neste nosso mundo podemos presenciar e que, de fato, acabamos vivendo mesmo sem querer. E uma primeira realidade que aprendemos com Nárnia é a realidade transcendental, perceptível na própria existência deste mundo e a evidente impossibilidade de tatear com os sentidos corporais a mesma em nosso mundo, ou no mundo das crianças inglesas do livro.

Claro que Lewis sempre deixou claro que esta obra falava mais da fé que ele professava após a conversão, do que sobre qualquer espécie de superstição mundana. É por isso que parece-me razoável enxergar nesta frase colocada no topo deste artigo a simbologia de algo bastante objetivo que em nosso mundo tocamos como "porta" ou "canal" para o outro mundo, ou para a eternidade. Mais ainda que apenas porta, ou entrada, falo de um rito de permanência neste mundo "mágico", neste mundo transcendente, o que me leva a considerar então esta fala - Quem foi coroado rei ou rainha de Nárnia sempre será rei e rainha - como simbologia clara do sacramento do batismo, algo que nos abre as portas do Reino do Céu e ao mesmo tempo nos marca de modo indelével para este mundo que chamamos eternidade. Quem foi rei e rainha... ou quem foi batizado, sempre será rei ou rainha, ou sempre será Filho de Deus, elevado pelo sacramento a esta dignidade, assim como Pedro, Suzana, Edmundo e Lúcia foram elevados a dignidade de reis e rainhas de Nárnia. 

Assim como o rei coroado ou a rainha coroada, podem vez por outra ferir a dignidade de majestades a qual foram revestidos, igualmente os batizados podem - e experimentamos isso na pela! - pode ferir com menor ou maior grau esta dignidade de batizados, de filhos de Deus. Não que isso nos faça perder o "trono", mas com certeza nos mancha e pede de nós reparações como sinal claro de penitência e retorno ao bom caminho. 

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova