Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

BEM VINDO

Cardeal Müller não poupa palavras em entrevista

Tradução Blog VALDERI (TL)

O cardeal Gerard Müller logo merecerá o título de Panzercardinal, que a imprensa certa vez apelidou de um de seus predecessores na Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), Josef Ratzinger! O certo é que o ex-prefeito do CDF não mede as palavras.

Durante a entrevista televisionada concedida ao Lifesitenews, e transmitida em 11 de dezembro de 2020, o bispo Müller criticou duramente o fechamento de locais de culto, devido à pandemia de Covid-19: “os políticos não têm o direito de proibir a Santa Missa e a celebração dos sacramentos”, explicou o cardeal, que vê em certos governos “uma oportunidade de suprimir a Igreja Católica ”.

Dirigido àqueles que, mesmo no topo da hierarquia católica, acreditam que existem outras formas de rezar ao invés de ir à missa - lembramos as recentes palavras do Cardeal Mario Grech taxando "de analfabetismo espiritual”, os católicos consternados com o fechamento de suas igrejas - responde o alto prelado alemão: “não somos uma religião espiritualista, mas seres de carne, sangue e alma. (…) Vivemos na realidade do mundo material, também criado por Deus, e para isso necessitamos desta mediação corporal visível através dos sacramentos, no seio da comunidade dos fiéis."

Referindo-se à recente eleição de Joe Biden à presidência americana e ao telefonema do Papa Francisco ao democrata eleito, o bispo Müller lamentou que o pontífice romano tivesse se concentrado "em coisas secundárias", abordando "meios de fazer face à crise das alterações climáticas e para melhor integrar os migrantes nas nossas comunidades ”.

“Jesus não fundou a Igreja para tratar de assuntos de importância secundária, corrige o cardeal, mas de assuntos primordiais: a saber, que é vivendo pela graça que alcançaremos a vida eterna. "

“Espero pelo menos que no futuro falem sobre o aborto, o assassinato de bebês inocentes, tantas criaturas de Deus, porque é muito importante tanto politicamente quanto do ponto de vista moral. (...) Toda a vida vem de Deus, e ninguém pode reivindicar o direito de matar alguém”, disse o ex-chefe do CDF.

Finalmente, a respeito das recentes declarações papais que evocam o reconhecimento civil dos "casais" homossexuais, o Cardeal Müller lembrou a impossibilidade de um papa mudar a doutrina, seja sobre o casamento, a lei natural ou os sacramentos.

Corajosas observações, que gostaríamos de ouvir alguns anos antes, quando o alto prelado alemão, em 2013, classificou a Fraternidade São Pio X como "cismática" por sua recusa às inovações litúrgicas e doutrinárias pós-conciliares ...

De qualquer maneira, a fala do cardeal Müller, lembrando uma série de verdades, é uma pedra de mármore teutônico sólido - mais uma - jogada nos agora rochosos jardins do Vaticano.

Fonte: https://fsspx.news/fr/news-events/news/le-cardinal-muller-epingle-le-pape-francois-62646

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção