Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Marx e os seus dominaram a educação brasileira

Que os livros didáticos oferecidos paras as escolas no Brasil inteiro serem fundamentados em figuras como Paulo Freire, Michel de Foucault, Jonh Dewey, Antonio Gramnsci e Jean-Jacques Rosseau, é um fato notório, e basta qualquer passada de olhos nestes mesmos livros que os professores usam em suas aulas e os que eles mesmos utilizam para se formarem, para notarmos a ideologia social presente destes senhores acima citado em todos os campos do conhecimento, em todas as áreas, pois se focaram não no conteúdo em si das matérias mas na forma, na didática utilizada, tornando assim qualquer matéria meio de formação segundo a ideologia que desejam fixar nas gerações. No trecho destacado abaixo, percebe-se o porque existe uma mudez nacional acerca desta formação ideológica ministrada nas escolas por quase todos os professores. Tirado do site Wikipedia O final deste trecho é o mais importante, pois é através dele que podemos perceber a profundidade e extensão do problema a se enfrentar. As obras

BEM VINDO

Histórico horrível de Francisco de apoio a uniões civis homossexuais

Pt.News/Glória.TV

Francisco fez, em 21 de outubro, sua mais recente declaração em apoio às uniões civis homossexuais [imorais], admitindo que sempre as defendeu. Isso é verdade.

Bergoglio apoiou as uniões civis em 2010 quando era arcebispo de Buenos Aires. Em uma acalorada reunião de bispos, ele defendeu o apoio às uniões civis homossexuais como um meio-termo para poder criticar o pseudocasamento gay - embora as uniões civis homossexuais sejam sempre usadas como um primeiro passo para a introdução do pseudocasamento gay.

Posteriormente, Bergoglio disse ao militante homossexual Marcelo Márquez que “os homossexuais precisam ter seus direitos reconhecidos e que ele apoiou a união civil, mas não o casamento entre pessoas do mesmo sexo” - embora seja a mesma coisa.

Em março de 2014, Francisco disse ao jornal Corriere della Sera que os Estados buscam “regularizar diferentes situações de convivência” a fim de garantir saúde e outros benefícios econômicos: “Temos que olhar para os diferentes casos e avaliar em sua variedade”. Este argumento é hipócrita, porque "diferentes situações de convivência" podem ser regulamentadas sem referência à sexualidade ou homossexualidade.

Assim, a manchete dos jornais era “Papa Francisco sugere que as uniões civis homossexuais podem ser toleradas pela Igreja” ou “Papa Francisco sugere apoio às uniões civis”. Francisco nunca negou.

Em seu livro-entrevista de 2017 Política e Sociedade, Francisco sugeriu que há apenas uma diferença terminológica entre casamento e coabitação homossexual: "O casamento é entre um homem e uma mulher. Este é o termo exato. Vamos chamar de uniões entre o mesmo sexo 'uniões civis'”.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção