Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Cooperatores veritatis

É verão e esta chovendo, aquelas típicas chuvas de verão, rápidas e de violência amena o suficiente para refrescar o ambiente. O calor excessivo não me anima a escrever, mas a chuva faz este trabalho de animação, e por isso estou aqui para escrever sobre um assunto ou ideia que estava engavetada com muitas outras. Quando falamos nos estudos acadêmicos em "buscar a verdade", "transmitir a verdade", "servir a verdade" ou mesmo em "obedecer a verdade" muitas vezes pressupõe-se a realidade VERDADE que pode-se simplesmente apresentá-la como Aristóteles, mas a verdade mesmo é uma PESSOA, e escrevo em caixa alta porque refiro-me a Deus mesmo, o Criador por excelência, fonte de toda a realidade existente. De fato, nada existe sem a consciência Divina que existe pensando em tudo e em todos, já que o seu esquecimento de alguma realidade significaria a inexistência desta realidade. Se você não chegou a esta certeza da dependência da realidade do pensamento

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡


Fábio de Melo, o padre virtual

Como falo e escrevo faz muito tempo neste site, a formação dos futuros padres foi terrivelmente contaminada pela protestantização e o modernismo desde antes do Concílio Vaticano II, o que de fato culminou com a celebração deste e a revolução introjetada na Igreja por seus documentos ecumênicos e minimamente ortodoxos.

Alguns padres se destacam no cenário público notoriamente pela capacidade de provar todas estas análises terríveis que se fazem, incluindo as minhas, sobre a atual formação dos sacerdotes. Entre estes é impossível não citar o padre Fábio de Melo, mais cantor e ativista virtual que sacerdote. 

Esta postagem (abaixo) foi tirada de sua conta no Instagram. Algumas coisas coisas aqui são necessárias observar, pois elas vêm justamente de um sacerdote católico.

O termo "revolucionário" em si já demonstra a total imersão deste padre na linguagem revolucionária que tenta a todo custo escravizar os homens tirando-lhes Deus do centro e pondo - fantasiosamente - o próprio homem (natureza humana) como o centro da existência e a razão para tudo. No catolicismo não falamos em revolução, mas em reformas, em edificação, pois revolução sempre esta ligado a inversão da ordem natural das coisas, o que significa inverter a ordem criadora de Deus. Este senhor por ser padre não pode ser considerado ingênuo ao ponto de julgarmos este fato como um pequeno descuido de digitação.

Existe há muitos séculos a tentação de deificação do ser humano, afinal, se somos deuses (como o próprio Deus) não estamos sob a direção de nenhum ser supremo, não estamos sujeitos a nada superior, não estamos sujeitos a normas morais que surgem dos ditames reveladores do Deus judaico-cristão. É muito vago dizer "Deus não é propriedade de religiosos...", sua afirmação leva justamente a desautorização moral e vocacional destes homens e mulheres que ainda se acredita que foram chamados por Deus para uma missão, doando suas vidas pela Verdade encarnada, para mostrar ao mundo quem de fato é Deus e onde o encontrar. O imanentismo que denunciava no Sínodo da Amazônia parece aflorar nas palavras do padre Fábio de Melo que deseja que todos os seus "seguidores no Instagram" esqueçam a Igreja, esqueçam a Eucaristia, esqueçam a Sagrada Escritura, esqueçam os Sacramentos, esqueçam as devoções, enfim, esqueçam a Deus, pois o objetivo aqui, segundo ele, seria encontrar "a divindade que nos habita", mas não o Espírito Santo, pelo menos nem citado é a terceira pessoa da Santíssima Trindade.

O padre fala em usurpação da fé alheia. Ora, ele esta usurpando algo maior que a "fé alheia", esta usurpando o dom de Deus entregue-lhe no dia de sua ordenação afim de uma fé virtual, que podemos encontrar em livros de Yoga e Nova Era.

----

Link da postagem no Instagram: https://www.instagram.com/p/CFw_wqSDcg1/?igshid=13ae7cilekoro 

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção