Santa Sé absolveu os Templários, ordem que está nas origens do Brasil

A Santa Sé anunciou a publicação de um documento pontifício que absolve a Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, ou Templários, dos cargos que lhe foram imputados.

Esta ordem militar de cavalaria foi fundada em Jerusalém em 1118, nos tempos das Cruzadas, por Hugo de Payens e Geoffroy de Saint-Omer e companheiros.

Ela protegia os peregrinos que iam a Terra Santa.

O templários tornaram-se lendários pela sua fé e coragem no campo de batalha.

Criaram hospitais gratuitos de uma organização e esplendor famosos para romeiros e pobres.

Sua Regra foi ditada pelo grande São Bernardo.

Sua divisa foi: “não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Vosso nome dai a glória”.

O nome de Templários vem do fato de eles terem erigido suas primeiras instalações no local onde esteve o Templo de Salomão.

Os cristãos deram donativos com largueza para as obras da Ordem.

A aureola de prestígio e de coragem que rodeava a Ordem, mais sua importância material, suscitou a inveja de reis e potentados picados pela mosca da Revolução contra a Igreja e a Civilização Cristã.

Em 13 de outubro 1307, o rei Felipe o Belo, da França, que haveria de morrer excomungado, fechou todas as sedes da Ordem, expropriou seus bens e promoveu processos contra ela.

Acusava-a de adorar o demônio, praticar a homossexualidade, blasfêmia e heresia.

O exemplo de Felipe o Belo foi seguido por outros reis, exceção feita, do de Portugal.

Os cavaleiros que fugiram da prisão, cárcere e torturas, refugiaram-se em terras portuguesas. 

O último Grão-Mestre foi queimado em Paris.

Felipe o Belo (foto) aduzia uma carta do Papa Clemente V.

Mas, agora, o Vaticano afirma ter achado documento do mesmo Papa Clemente V exonerando a Ordem de toda culpa.

A publicação ocorrerá sob os auspícios dos Arquivos Secretos do Vaticano e da fundação italiana Scrinium.

Segundo o historiador medievista Franco Cardini, um dos responsáveis pela edição, “a prerrogativa do Papa (Clemente V) era a de dissolver a ordem, mas ele nunca a condenou”.

Cardini acrescenta que o documento achado “testemunha que o Pontífice não a considerava herege”.

A verdade é que se os Templários tivessem continuado existindo teriam sido grave obstáculo à Revolução gnóstica e igualitária que depois jogou o mundo no caos.

Muitos grupelhos ou associações obscuras tentaram durante séculos se apropriar da aureola de prestígio dos Templários, e abusaram do seu nome.

De fato, nenhuma associação hoje existente sob o rótulo de Templários ou Templo é autêntica continuadora da genuína Ordem do Templo extinta no século XIV.

Os últimos remanescentes da Ordem do Templo foram a base da Ordem de Cristo criada por Dom Dinis, rei de Portugal.
Tomar e Convento de Cristo, Portugal

Foram esses cavaleiros que descobriram o território brasileiro e tiraram o Brasil do nada.

Se houve uma “vingança dos templários” ela consistiu em trazer à luz a nação hoje com a maior população católica da Terra, o Brasil, dotado de uma vocação providencial.

Os herdeiros espirituais de Felipe o Belo, entretanto, tentam enlamear e degradar o Brasil para que ele não cumpra essa missão histórica.

Anúncio do Blog