Pio X concede indulgência ao adorar a hóstia consagrada na Missa

"Pio X concedeu aos fieis 7 anos e 7 quarentenas de indulgência todas as vezes que olharem devotamente a hóstia santa, dizendo: 'Meu Senhor e meu Deus!' (12 de junho de 1907)". (Pe Lidivino Santini, SJ. A Santa Missa na História e na Mística, p.290)
Confesso que pesquisei com os meios que pude, mas não encontrei documento oficial conforme as poucas informações registradas pelo padre Lidivino sobre esta indulgência concedida pelo Papa São Pio X. 
Papa Emérito Bento XVI elevando o Corpo de Cristo após as palavras consecratórias

Gostaria de ter a fonte para informar, para afirmar, por exemplo, que esta concessão ainda vigora na Igreja, algo que seria maravilhoso de expôr novamente aos católicos, mas como não consegui encontrar o documento oficial, só nos resta depositar confiança no autor deste livro acima mencionado. 

E por que deveríamos duvidar do autor que registrou esta indulgência? Afinal, o fato de não ter encontrado a fonte originária desta informação não prova que a mesma seja uma invenção, mesmo que para aumentar a piedade dos fieis. Mesmo com toda a responsabilidade que o corpo eclesiástico trata e tratou os documentos papais, desde o simples bilhete, ao longo da história muitas coisas podem perderem-se pelos desvios acidentais. Por isso, não acredito que padre Lidivino estivesse mentindo sobre esta indulgência que Pio X teria outorgado a todos que "olharem devotamente a hóstia santa, dizendo: 'Meu Senhor e meu Deus!'".


Mas e esta indulgência ainda vigora? Aqui está algo que não posso afirmar. Sabemos que até o Concílio Vaticano II era comum que os Papas concedessem indulgências ocasionais, para algum evento, por alguma ocasião, seja pela importância dos mesmos ou para fomentar a catolicidade, o que nos leva a entender que algumas indulgências não alcançavam todo mundo católico por conta da ocasião e momento, ou seja, certas indulgências eram temporalizadas. Ainda hoje isto acontece, mas com menos frequência, algo lastimável em minha opinião.


Tendo isto, para mim fica claro: Desde Pio X a Igreja entende e esclarece aos fieis que no momento em que o sacerdote eleva a hóstia consagrada, após proferir as palavras da consagração, TODOS devem adorá-la, pois este o momento mais sublime da contemplação da transubstanciação, o milagre eucarístico que a todos desafia e que subjuga a todos. O Deus encarnado esta em nossa frente, como não adorá-lo e temê-lo? 

Pela razão não posso afirmar a validade desta concessão de indulgência em nossa tempo, registrada pelo padre Lidivino, mas de coração espero que ela possa fazer-se valer mediante a fé que depositamos na Santa Igreja.

Anúncio do Blog