Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

A agonia de um filósofo

 Agonizar nada mais é que sentir em si mesmo, no seu corpo e na sua mente, as dores de algo inevitável que na maioria das vezes não fora desejado. Costumamos lembrar dos agonizantes nos hospitais que diante da doença que lacera seus órgãos sente as "dores da agonia", um prefácio do suspiro final. Não é diferente pensar da mais famosa das agonias já conhecida pelos homens, a agonia de Jesus Cristo no Horto das Oliveiras, também uma antessala do consumatum est numa cruz entre dois ladrões. Uma agonia não necessariamente encerra-se com a morte, com o suspiro final desta existência terrena. Sofremos de agonias que podem dilacerar nossa mente e nosso espírito diante de muitas outras situações que se apresentam em nossas vidas. E aqui gostaria de trazer à mente uma agonia tão antiga, tanto quanto a do próprio Jesus Cristo, que alguns seres humanos sofrem silenciosamente, mas experimentam uma dor horrível, não no corpo físico, nos órgãos, mas na mente, na consciência. A agonia de um

Mohamed Al-Issa em campanha pela "santificação" do islamismo

Francesca de Villasmundo
Tradução do francês: Blog VALDERI (TL)
Quando o secretário-geral da Liga Islâmica Mundial é recebido na catedral de Rouen pelo bispo Monsenhor Lebrun, é uma submissão aberta ao politicamente correto e uma submissão velada à conquista do Islã.

A Liga Islâmica Mundial está em campanha por uma virgindade completa. Em setembro, seu secretário geral, Mohamed Al-Issa, anunciou que visitará o campo de Auschwitz no primeiro trimestre de 2020, no 75º aniversário da libertação dos campos nazistas, na companhia do rabino-chefe da França, neste caso, Haïm Korsia, e o Conselho das Igrejas Cristãs, co-presidido por François Clavairoly.

Em 15 de dezembro, foi na França, em uma de suas memoráveis catedrais, a de Rouen, que ele foi recebido de braços abertos pelo bispo Mons. Lebrun, antes de ir, acompanhado pelo prelado, para Igreja de Saint-Etienne du Rouvray em homenagem ao padre Hamel, que foi morto por dois jovens islâmicos.
Cerimônia de boas-vindas da Luz da Paz, de Belém a Saint-Godard. Os batedores entregaram a Luz a Dom Lebrun e ao secretário geral da Liga Islâmica Mundial, Mohammed Al-Issa, que a levou a Saint-Étienne du Rouvray em homenagem ao padre Hamel #Rouen
Uma abordagem que despertou muitas reações negativas em relação ao bispo acusado de colaborar, e com razão, com um cinturão de transmissão do islamismo wahhabi e salafista, aquele que arma ideologicamente os matadores de jihadistas.


Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova