Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Marx e os seus dominaram a educação brasileira

Que os livros didáticos oferecidos paras as escolas no Brasil inteiro serem fundamentados em figuras como Paulo Freire, Michel de Foucault, Jonh Dewey, Antonio Gramnsci e Jean-Jacques Rosseau, é um fato notório, e basta qualquer passada de olhos nestes mesmos livros que os professores usam em suas aulas e os que eles mesmos utilizam para se formarem, para notarmos a ideologia social presente destes senhores acima citado em todos os campos do conhecimento, em todas as áreas, pois se focaram não no conteúdo em si das matérias mas na forma, na didática utilizada, tornando assim qualquer matéria meio de formação segundo a ideologia que desejam fixar nas gerações. No trecho destacado abaixo, percebe-se o porque existe uma mudez nacional acerca desta formação ideológica ministrada nas escolas por quase todos os professores. Tirado do site Wikipedia O final deste trecho é o mais importante, pois é através dele que podemos perceber a profundidade e extensão do problema a se enfrentar. As obras

BEM VINDO

Cardeal Müller: "Nem o papa nem ... os bispos podem mudar dogmas ... a seu gosto"

Tradução Blog VALDERI (TL)
CIDADE DO VATICANO, 11 de outubro de 2019 (LifeSiteNews) - Um cardeal alemão afirmou em uma entrevista recente que nem o papa nem a "maioria dos bispos" podem mudar os dogmas da fé ou da lei divina para se adequar às suas próprias preferências.


Em entrevista ao La Repubblica, publicada ontem, o cardeal Gerhard Müller defendeu vigorosamente o entendimento ortodoxo, tradicional, do sacerdócio latino celibatário.

Quando perguntado sobre a discussão do Sínodo sobre a possibilidade de abrir o sacerdócio a "viri probati", idosos casados ​​com comprovada fidelidade, o ex-prefeito da Congregação da Doutrina da Fé (CDF) disse que foi um "erro".

"Já existem diáconos casados", afirmou Müller. "Se apresentarmos [padres casados], eles devem respeitar o costume da igreja antiga: eles devem viver em continência."

O cardeal explicou que, mesmo na Igreja Ortodoxa, que tem um sacerdócio casado, os padres casados ​​devem abster-se de relações conjugais nos dias que antecedem a celebração da missa.

"Você não conhece o Sínodo Trullan de 692?", Perguntou ele ao entrevistador.

“Lá, graças à pressão do imperador, a lei do celibato foi dissolvida, mas apenas a Igreja Ortodoxa aderiu a isso. Não é o latino ”, continuou Müller.

"... Quem quer inserir a prática de padres casados ​​na Igreja Latina não conhece a história dela."

O celibato sacerdotal, explicou, é mais do que apenas uma "lei eclesiástica". Ela tem "raízes profundas" no sacramento das ordens, pois o sacerdote é o "representante de Cristo, o noivo". O sacerdócio celibatário tem uma espiritualidade vivida que não pode ser alterado.

A permissão que Bento XVI concedeu aos padres anglicanos casados ​​que se converteram ao catolicismo para permanecer casados ​​ao receber ordens católicas é, disse Müller, "uma exceção".

"Os apóstolos deixaram tudo para seguir a Jesus", observou ele. “Cristo é o modelo para os ministros, os sacerdotes. E isso não pode ser alterado pela pressão secular. ”

Eliminar a lei do celibato contradizia o Conselho do Vaticano.

"Presbyterorum Ordonis, número 16, fala do vínculo de adequação entre quem representa Cristo, o marido celibatário, e a Igreja."

Müller rejeitou a ideia de que o fim do celibato reduziria o número de abusos sexuais.

"Isso vem de uma falsa antropologia", disse ele. “Um ato abusivo contradiz a castidade. O abuso acontece em toda parte, não apenas no sacerdócio. E não devemos esquecer que 80% das vítimas não são crianças, mas meninos adolescentes. Isso significa que muitos abusos são cometidos por pessoas que não querem respeitar o sexto mandamento. "

"Ninguém pode ser admitido no sacerdócio se ele não concordar em viver de acordo com os mandamentos de Deus e as exortações de Cristo."

Müller também desencorajou a idéia de que os conservadores desejam um cisma na Igreja, dizendo que um cisma é contra a vontade de Cristo, bem como uma traição de suas palavras e do ensino dos apóstolos.

"Nenhum papa, nem a maioria dos bispos, pode mudar o dogma da fé ou das leis divinas de acordo com seus próprios desejos", disse ele.

"A tradição da Igreja não é um brinquedo que se possa moldar à vontade."

O cardeal também rejeitou a difamação de que ele é um inimigo do Papa Francisco, dizendo que os verdadeiros adversários do pontificado são aqueles que negam que o papado é uma instituição divina e que desejam mudar a doutrina revelada sem levar em consideração os dois Concílios do Vaticano.

"Quem diz essas coisas causa grandes danos à credibilidade da Igreja Católica."

Quanto à ordenação de mulheres, Müller disse que não podia falar sobre isso porque é "dogmaticamente impossível" chegar ao conceito.

Uma pergunta final, tocada no Instituto João Paulo II, levou o cardeal a dizer que foi um "grande erro" destruir o Instituto e que foi um ataque à qualidade intelectual da teologia católica.

"Todos no mundo acadêmico estão sem palavras", disse ele. “É impensável demitir professores por seu pensamento verdadeiramente ortodoxo. Entre outras coisas, o pensamento deles não trai a doutrina; portanto, não se pode entender por que eles foram mandados embora. ”

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção