Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Cooperatores veritatis

É verão e esta chovendo, aquelas típicas chuvas de verão, rápidas e de violência amena o suficiente para refrescar o ambiente. O calor excessivo não me anima a escrever, mas a chuva faz este trabalho de animação, e por isso estou aqui para escrever sobre um assunto ou ideia que estava engavetada com muitas outras. Quando falamos nos estudos acadêmicos em "buscar a verdade", "transmitir a verdade", "servir a verdade" ou mesmo em "obedecer a verdade" muitas vezes pressupõe-se a realidade VERDADE que pode-se simplesmente apresentá-la como Aristóteles, mas a verdade mesmo é uma PESSOA, e escrevo em caixa alta porque refiro-me a Deus mesmo, o Criador por excelência, fonte de toda a realidade existente. De fato, nada existe sem a consciência Divina que existe pensando em tudo e em todos, já que o seu esquecimento de alguma realidade significaria a inexistência desta realidade. Se você não chegou a esta certeza da dependência da realidade do pensamento

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡


A beira da anarquização ideológica

"A esquerda sente a necessidade de sempre explicar tudo em termos de culpados e vítimas, mas, como cada explicação desse tipo logo se revela insustentável, é preciso buscar sempre novas vítimas para que as ondas de indignação se sucedam sem parar, alimentando a liderança revolucionária que sem isso não sobreviveria uma semana. A primeira vítima oficial foram os proletários, depois os índios, os negros, as mulheres, os jovens, os gays e agora, finalmente, a maior de todas: o planeta. Em nome da salvação do planeta, supostamente ameaçado de extinção pelo capitalismo, é lícito matar, roubar, sequestrar, incendiar, ludibriar, mentir sem parar e sobretudo, gastar dinheiro extorquido dos malvados capitalistas por meio do estado redentor." (CARVALHO, Olavo de. Até que enfim, Diário do Comércio, 21/09/2011)

Hoje faço questão de reproduzir este trecho de um dos artigos do filósofo Olavo de Carvalho, que fora publicado no Diário do Comércio em 2011.

A crueza da realidade que Olavo explicita neste parágrafo sobre o modo de agir de todo o movimento esquerdista nos deveria corar de vergonha por tantas vezes esquecermos disso diante de acontecimento que passam batidos, mas que tocam sensivelmente e alguns profundamente nossas vidas.

Fico pensando, quantas pessoas no mundo se dão conta, por exemplo, que uma ideologia política ramifica seus tentáculos por meio de TODAS as instituições que tocam a vida do individuo, e digo isto especialmente pensando na religião, e mais especificamente, na religião católica.

O que venho comentando aqui no site, sobre o Sínodo Pan-Amazônico é uma patente prova disso que Olavo de Carvalho destaca neste trecho de oito anos atrás. Este sínodo esta intrinsecamente movido por finalidades políticas, globais e também internas do Vaticano. Não podemos esquecer que o Vaticano é um país soberano, e que para tanto, também serve de organização política, onde giram posicionamentos que tentam convergir com o Evangelho de Nosso Senhor, mas algumas vezes falham nesta empreitada.

A vítima da vez, com indica Olavo, já vinha sendo preparada para ser o "bode expiatório" a muito tempo, desde a campanha sobre o buraco na camada de ozônio, que mostrou-se uma farsa, mas tarde passando para aquecimento global, derretimento das geleiras, mudanças climáticas e agora "xiitismo" em torno das florestas amazônicas.

Enquanto boa parte da população mundial não confrontar através de informações e conhecimentos destes engôdos e seus fins, estaremos sempre a beira de uma anarquização ideológica. 

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção