Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Marx e os seus dominaram a educação brasileira

Que os livros didáticos oferecidos paras as escolas no Brasil inteiro serem fundamentados em figuras como Paulo Freire, Michel de Foucault, Jonh Dewey, Antonio Gramnsci e Jean-Jacques Rosseau, é um fato notório, e basta qualquer passada de olhos nestes mesmos livros que os professores usam em suas aulas e os que eles mesmos utilizam para se formarem, para notarmos a ideologia social presente destes senhores acima citado em todos os campos do conhecimento, em todas as áreas, pois se focaram não no conteúdo em si das matérias mas na forma, na didática utilizada, tornando assim qualquer matéria meio de formação segundo a ideologia que desejam fixar nas gerações. No trecho destacado abaixo, percebe-se o porque existe uma mudez nacional acerca desta formação ideológica ministrada nas escolas por quase todos os professores. Tirado do site Wikipedia O final deste trecho é o mais importante, pois é através dele que podemos perceber a profundidade e extensão do problema a se enfrentar. As obras

BEM VINDO

Sínodo Pan-Amazônico: A SALVAÇÃO EM CRISTO NO INSTRUMENTUM LABORIS - IL

Por Dom  José Luis Azcona
"Quanto a mim, não pretendo, jamais, gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo." (Gl 6,14 )
A Igreja existe para anunciar a salvação. Esta é a sua identidade, sua graça, sua vocação.

Salvação, "esse grande dom de Deus que é libertação de tudo aquilo que oprime o homem e que é libertação sobretudo do pecado e do maligno, na alegria de conhecer a Deus e de ser por Ele conhecido" (EN 9).

A evangelização tem como conteúdo essencial e sempre "a salvação em Jesus Cristo Filho de Deus, feito homem, morto e ressuscitado. Salvação que se oferece a todos os homens,culturas e povos como dom, graça e misericórdia do mesmo Deus" (EN 27). "Pela graça fostes salvos por meio da fé. Isto não vem de vós; é dom de Deus" (Ef 2,8;Rm1,16,passim).

Esta salvação é o próprio Jesus Cristo que salva o seu povo dos seus pecados (Mt 1,21) e que profetizada e testemunhada com a própria vida por João Batista, este é enviado a "preparar os seus caminhos anunciando ao seu povo a salvação que está na remissão dos pecados" (Lc 1,77). Esta é a salvação única anunciada em todosos salmos, na lei e nos profetas de que em Cristo sofredor que ressuscita dos mortos e que em seu Nome (obediência até a morte), seja proclamado o arrependimento para o perdão dos pecados a todas as nações, etnias e culturas, também as amazônicas.

Por isso, a única Igreja de Jesus é aquela que testemunha isto. Qualquer outra igreja que não seja fiel a este testemunho é uma congregação de satanás, "pai da mentira" (Jo 8,44) e que chega também na Amazônia "para roubar, matar e dispersar" (Jo 10,10).

Os pastores destes grupos não foram revestidos com o Espírito da verdade, nem batizados com Ele, nem viram realizar-se ainda a Promessa do Pai no novo Pentecostes conciliar, nem experimentaram a força do Alto " (Cfr. Lc 24,44-49; At 2,38;11 15-18;26,19-23; RM 24; Ap 548-549;362).

Esta salvação não é uma salvação imanente ao mundo, limitada portanto, às necessidades humanas materiais e mesmo espirituais (EN 17).

Tão pouco se exaure no âmbito de uma existência temporal que se identificasse com as aspirações e esperanças das culturas e dos povos também amazônicos.

E a "adesão a fé" (Gl 3,2), a única que traz a salvação, é exclusivamente esta: " Nós cremos Naquele que ressuscitou dos mortos, Jesus Nosso Senhor o qual foi entregue a morte por nossos pecados e ressuscitado para a nossa salvação" (Justificação) (Rm 4,24-25).

Não há outro evangelho que este. "Não existe outro Nome no no qual possamos ser salvos ( At 4,12). Evangelho que assumindo, sanando, purificando, renovando, elevando, glorificando com seu poder e sabedoria, é dizer a cruz (ICor 1,17-25) salva toda a humanidade, todos os povos, todas as culturas, toda a história. Não existe outro evangelho!. E isto se silencia no IL.

Se trata da fé. Da fé que é necessária para a salvação. A fé do Símbolo dos apóstolos esquecido pelo IL. De fato, se trata da negação da fé da Igreja, se invalida o Sínodo, se inutilizam todos os esforços para construí-lo e se estrangula de uma vez, a esperança da Amazônia e do mundo.

Em concreto, a esperança proclamada no IL não é a esperança cristã (Hb 11,1); de fato é a negação expressa da "grande esperança" (Spe Salvi). Uma esperaça que "confunde e decepciona" (Cfr Rm 5,5), que fecha de uma vez e para sempre o futuro da Amazônia e do mundo.

Acaba com os "novos caminhos" para a Igreja na Amazônia porque nega o amor de Deus que faz inabalável a esperança (Ibid), sequestrando a cruz de Cristo, única identidade do amor na história e no mundo (Rm 5,6-11).

Sabemos pela fé que esta esperança que não decepciona, é Cristo e Cristo crucificado. "Ave Crux, Spes única! "(Salve Cruz,única esperança).

"Esta salvação ressoou no Sínodo dos Bispos (2002) e deve continuar a ressoar em nossos lábios porque a cruz é mistério de morte e de vida. Anunciamos que na árvore da cruz a vida venceu o inferno"(Cfr Pastores Gregis 5).

A falta de alegria missionária e esta ausência da "grande esperança" evidenciam a negação da cruz de Cristo.

Assim, a missão da Igreja hoje e especialmente na Amazônia fica absolutamente esvaziada e anulada:"A Igreja dos profetas das testemunhas e dos servidores da esperança"(Ibid) estamos tragicamente diante de uma recaída fatal, portanto, no paganismo,"para quem não há esperança"(Ef 2,12-14).

Analisemos nestes tempos conturbados as regras de discernimento cristão que dirige a Igreja.

1.As Instituições da Igreja: Dioceses, paróquias, CEBs, Novas Comunidades, Grupos, Estruturas estão vivas e portanto são missionárias enquanto nos convidam, chamam, animam e ajudam a seguir o Senhor Jesus até o calvário."Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz a cada dia e síga-me"(Lc 9,23).

2.A verdadeira unidade eclesial assim como as divisões entre nós,também diante do Sínodo, dependem disso: até onde servimos nós ao Senhor Jesus, seguindo-o com a cruz nos ombros e até onde Ele, enquanto crucificado é negado, renegado por nós em nome da religião, das estruturas eclesiais, da organização, do meu organograma pastoral, do "meu" Sínodo?

3.Proclamar no Sínodo a fé em Jesus de Nazaré como Filho de Deus e Messias (Mt 16) não salva a ninguém. Até podemos merecer o nome de satanás (Como Pedro) se pensamos Nele como os homens e não como Deus.

4.Assim, a comunhão na Igreja será uma encenação vã que representará uma comunidade de homens e mulheres devotos, piedosos, unidos por rituais de rara solenidade, sem vigor missionário,bem longe do povo de Deus vivo, resgatado e reunido pelo sangue do Cordeiro e no Corpo de Cristo. A Comunidade de Cristo está dividida e deixa de ser missionária quando esquece a sua identidade mais profunda: Estar crucificada com Cristo (Rm 6,6; Gl 2, 19; ICor 1-13)


5.Hoje o Crucificado é negado e renegado pelos cristãos, principalmente porque com seu voluntarismo, "entusiasmo", pragmatismo, pelagianismo de toda espécie, torna ilusória, teórica, imaginaria a soberania da cruz que distingue e faz inconfundível Jesus de Nazaré com outros fundadores de religiões, culturas, moralismos, filósofos e teólogos (não crucificados).

Nós queremos proclamar com toda a Igreja Latino Americana e do Caribe que: "Uma autêntica evangelização dos nossos povos envolve assumir plenamente a radicalidade do amor cristão que se concretiza no seguimento de Cristo na Cruz; no padecer por Cristo por causa dajustiça; no perdão e no amor aos inimigos. Esse amor supera o amor humano e participa do amor divino, único eixo cultural capaz de construir uma cultura da vida"(Ap 543). Portanto, evangelizar a Amazônia, através da "conversão ecológica", na experiência e na vivência apaixonada das exigências da "ecologia integral" é abrir um futuro de esperança firme para ela e para o mundo.

Hoje, dia do martírio de São João Batista "o maior dos profetas", São Beda Venerável comentando seu martírio nos diz:" O perseguidor não lhe disse que negasse a Cristo, mas que calasse a verdade.Cristo disse: " Eu sou a verdade"(Jo 14,6). Por conseguinte, morreu por Cristo, já que derramou o seu sangue pela verdade"(Homilia 23)

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção