DIREITOS AUTORAIS
:: Ao compartilhar algum texto, sempre citar a fonte ::
Todos os artigos não assinados são de autoria e propriedade de Valderi da Silva, administrador deste blog.

Apoiar o "Orgulho Gay" é apologia ao pecado afirma Pe. Meloni



Extraído de ACI Prensa
Tradução do espanhol, Blog VALDERI (TL)
No chamado mês do "Orgulho Gay", o Pe. Augusto Meloni, sacerdote e médico que tinha uma posição sênior da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que os católicos não devem cair na "apologia ao ao pecado" e que sob nenhuma circunstância o pecado pode converter-se em um direito.

Em um diálogo com a ACI Prensa, Pe. Meloni esclareceu que "a homossexualidade em si não é um pecado, nem o lesbianismo em si". "O que é pecado são atos homossexuais, fornicação, masturbação", explicou ele.
Ele também lembrou que "o Senhor ama o pecador, mas não ama o pecado". "Nós respeitamos todas as pessoas e nos reconhecemos como pecadores. No entanto, isso não significa que eu encorajarei, promoverei e muito menos chamarei de 'orgulho' uma vida de pecado", disse ele.

Imagen referencial. Crédito: Pixabay
Imagen referencial. Crédito: Pixabay
Portanto, ele disse que é importante saber que "nenhum pecado pode ser um direito", e que o pecado não beneficia ninguém em nenhuma circunstância.

"Vivemos em uma época em que a cultura contemporânea quer normalizar o pecado, e o pecado é desobediência a Deus. Todo pecado é soberba, porque acontece quando a criatura se rebela contra o seu Criador, e não quer obedecer apelando a 'direitos' e 'liberdades', como se obedecer a Deus fosse contra a liberdade humana, felicidade e pleno desenvolvimento do ser humano ", disse ele.

Ele também lembrou que, quando os promotores da ideologia de gênero se referem a "direitos sexuais" e "direitos reprodutivos", "que são nada mais do que o direito à promiscuidade sexual e o aborto" fazê-lo abertamente de agências nacionais e organizações internacionais que promovem e financiam essas práticas, bem como os meios de comunicação que ecoam essas idéias dizendo que "apoiam a liberdade".

"Temos que alertar os católicos de que isso é contrário à fé, é uma tentativa contra a fé. Porque se você promove e defende o pecado, da desobediência a Deus, isso prejudica a nossa fé ", disse ele.

Da mesma forma, ele lembrou que para crescer na fé é necessário um claro discernimento do que é bom e o do que é mau, e que no Magistério da Igreja Católica se desenvolve a Teologia Moral.

"À medida que foram ensinados papas sucessivos ao longo de décadas, especialmente João Paulo II na sua encíclica Veritatis Splendor (esplendor da verdade), temos uma moral moral católica que sustenta que para que os atos possam ser bons, requer-se que o objeto seja bom, a intenção seja boa e determina as circunstâncias que podem agravar ou mitigar o ato ", explicou. Desta forma, "sob esta e conhecimento é que os atos pecaminosos são analisados".

"O que o crente deve saber é que Deus misericordiosamente simpatiza com o pecador que se arrepende. A Igreja tem o dever e a obrigação de ajudá-lo a sua conversão e ter uma consciência justa, que pode ser encontrada com Deus ", enfatizou padre Meloni. Da mesma forma, se você é um não-crente, "devemos elevar nossa oração por essas pessoas".

O padre lembrou que o católico é baseado na lei de Deus. "A lei humana, apesar de aprovada pelas autoridades nacionais, não pode ir contra a lei de Deus. Eles podem ser válidos, mas para os crentes a lei divina é mais hierárquica do que a lei humana. "Obedeça a Deus, e não aos homens", como diz o livro dos Atos dos Apóstolos.

Padre Meloni advertiu que participar dessas celebrações, em referência ao "Dia do Orgulho", "de onde se fala desses falsos orgulhos", é promover a imoralidade. "Todos os pecados prejudicam a pessoa, a família, a criação, nosso relacionamento com Deus", disse ele.

Nesse sentido, ele explicou que quando você começa a "chamar de bem o mal, ou o direito ao pecado, produz-se confusão", onde os mais afetados são aqueles que têm uma consciência moral menos educada, como crianças e jovens.

"A mídia e as empresas precisam saber que quando exibem essas campanhas, elas estão atacando nossos direitos", disse o padre, acrescentando que "é responsabilidade de uma pessoa de fé, bem como dos pais, apontar as coisa errada ".

Por esse motivo, ele explicou que a Igreja Católica não pode agir impassível, como se estivesse em uma sociedade neopagã, ateia, "no qual se afasta, se excluí, e até mesmo se separa os direitos das pessoas de fé em uma sociedade que fora construída sob a base da fé ". "Estes são sintomas de uma sociedade doente porque está longe de Deus", lamentou.

Em outro momento, ele lembrou que, sob o pretexto de buscar uma "igualdade", muitas autoridades "querem introduzir uma situação que não se encaixa na verdade, na ciência ou no bem". "Não pode ser reivindicado como um direito, pelo contrário, é um ataque", ressaltou.

O padre também disse que não se pode pretender enfrentar a violência e a discriminação "promovendo erros, mentiras e enganos".

"Nós, os crentes devemos recordar que temos um mandato: amar a Deus sobre todas as coisas, e amar ao próximo, que significa desejar seu bem. Não exite bem maior para uma pessoa que viver em Cristo, e para isso precisa-se viver a fé e a obediência a Deus", finalizou.

Anúncio do Blog