Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

CNBB não é mais referência ao catolicismo no Brasil

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) há muito tempo perdeu qualquer prestígio e confiança entre os católicos mais formados doutrinalmente. O esforço de alguns membros da dita conferência somente resultam em polêmica e desgosto, além de aumentar o número daqueles que sentem-se escandalizados pelos "membros da Igreja".

Faz poucos dias que o candidato a presidência da República do Brasil, Fernando Haddad, visitou a sede da CNBB para uma conversa amigável com o secretário e membros da conferência. Se a CNBB realmente se importasse com a ortodoxia da fé católica exigiria abertamente retratação do mesmo candidato por todos os pronunciamentos a favor do aborto e sua ligação com o comunismo no Brasil. Mas é claro que não vimos isso acontecer, ao contrário, a CNBB lança apenas uma nota "café com leite", falando sobre diálogo democrático e união contra a violência no Brasil.

Os católicos já não enxergam a CNBB como referência para o catolicismo no Brasil, eles estão buscando outras referências, o que não é animador, pois deveria ser a instituição que reuni os sucessores dos apóstolos a referência primeira para o catolicismo no Brasil.

Num esforço de memória, pode-se observar que o PT, quando necessitou de votos por algum motivo, sempre lembrou-se do bispos católicos, lembrou-se da CNBB. Não é estranho isso, pois esta conferência ainda reúne os principais militantes da teologia da libertação, braço "teológico" da esquerda na América Latina.


Muitas vezes aqui neste site falei sobre o escabroso laço entre CNBB e PT, e como os católicos são usados como massa de manobra quando se trata da equação PT + CNBB. É inadmissível que ainda calem-se os bispos que não compactuam com esta índole da Conferência. Onde estão? Sei que alguns até sinalizam um ou outro comentário nas dioceses, mas não será que não se percebe que é preciso uma voz que repercuta nacionalmente, em contraponto destes alinhados com o petismo?


O catolicismo sempre sobreviverá a CNBB, mas o estrago que esta conferência traz ao Brasil católico não é tão fácil de remediar.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova