Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Cooperatores veritatis

É verão e esta chovendo, aquelas típicas chuvas de verão, rápidas e de violência amena o suficiente para refrescar o ambiente. O calor excessivo não me anima a escrever, mas a chuva faz este trabalho de animação, e por isso estou aqui para escrever sobre um assunto ou ideia que estava engavetada com muitas outras. Quando falamos nos estudos acadêmicos em "buscar a verdade", "transmitir a verdade", "servir a verdade" ou mesmo em "obedecer a verdade" muitas vezes pressupõe-se a realidade VERDADE que pode-se simplesmente apresentá-la como Aristóteles, mas a verdade mesmo é uma PESSOA, e escrevo em caixa alta porque refiro-me a Deus mesmo, o Criador por excelência, fonte de toda a realidade existente. De fato, nada existe sem a consciência Divina que existe pensando em tudo e em todos, já que o seu esquecimento de alguma realidade significaria a inexistência desta realidade. Se você não chegou a esta certeza da dependência da realidade do pensamento

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡


CMC: Livro I – Parte II – Capítulo III [n. 55-56]

55.

Interpretação, obrigação e cumprimento da lei.

I. Interpretação da lei.

1. A interpretação do texto da lei pode ser autêntica, doutrinal ou consuetudinária.

a. A interpretação autêntica (can. 17) é a que dá o legislador, seu sucessor ou qualquer pessoa que tenha recebido poderes especiais para isso. A interpretação que se faz em forma de lei, tem a mesma força obrigatória que esta. Se explica somente as palavras da lei, claras em si, não necessita de promulgação e tem força retroativa. Se porém explica uma lei duvidosa ou a estende além do sentido óbvio das palavras ou a restringe, deve ser promulgada e não tem força retroativa. Se for expedida em forma de sentença ou de restrito a pessoa particular, não tem força de lei e obriga somente aquela pessoa e aplica-se somente àquelas coisas para que foi dada.

b. A interpretação doutrinal é a que dão os jurisperitos os quais devem tomar em conta, antes de tudo, o sentido natural das palavras e, em caso de dúvida, devem recorrer a lugares paralelos, ao fim, às circunstâncias da lei e à intenção do legislador (can. 18). – A regra geral é que a interpretação seja muito larga em leis favoráveis, e restrita, o mais possível, nas leis odiosas (p. ex. penais).

c. A interpretação consuetudinária é (ao lado da autêntica) a melhor interpretação da lei (can. 29) porque adquire foros de lei pelo costume; avantaja-se de muito à interpretação gramatical e filológica.

56. 2. A interpretação da intenção do legislador (epiquéia) consiste na suposição de que o legislador não quis obrigar em caso determinado e difícil ainda que este se ache claramente compreendido no texto da lei.

Não se deve fazer uso da epiquéia quando se pode recorrer facilmente ao legislador; nem tão pouco quando se trata de leis que invalidam um ato (lex irritans) ou inhabilitam uma pessoa para certos atos jurídicos (lex inhabilitans) porque nestes casos o bem comum exige que haja certeza acerca do valor dos ditos atos. – Da epiquéia propriamente dita deve-se distinguir bem o caso em que o legislador não podia obrigar p. ex. quando a observância da lei, por circunstancias especiais, se torna culpável ou impossível (cf. n. 69).

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção