Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Cooperatores veritatis

É verão e esta chovendo, aquelas típicas chuvas de verão, rápidas e de violência amena o suficiente para refrescar o ambiente. O calor excessivo não me anima a escrever, mas a chuva faz este trabalho de animação, e por isso estou aqui para escrever sobre um assunto ou ideia que estava engavetada com muitas outras. Quando falamos nos estudos acadêmicos em "buscar a verdade", "transmitir a verdade", "servir a verdade" ou mesmo em "obedecer a verdade" muitas vezes pressupõe-se a realidade VERDADE que pode-se simplesmente apresentá-la como Aristóteles, mas a verdade mesmo é uma PESSOA, e escrevo em caixa alta porque refiro-me a Deus mesmo, o Criador por excelência, fonte de toda a realidade existente. De fato, nada existe sem a consciência Divina que existe pensando em tudo e em todos, já que o seu esquecimento de alguma realidade significaria a inexistência desta realidade. Se você não chegou a esta certeza da dependência da realidade do pensamento

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡


Comentário ao Evangelho de hoje de Santo Agostinho


Comentário do dia por Santo Agostinho (354-430)
Bispo de Hipona (Norte de África), Doutor da Igreja
Tratado antidonatista «Contra as cartas de Petiliano» livro 2, §87

«Todos os profetas e a Lei anunciaram isto até João»

Até João Baptista, a Lei e os profetas comportavam prefigurações que tinham como objectivo anunciar o futuro. Já os sacramentos da nova Lei, os sacramentos do nosso tempo, atestam a vinda daquele que os antigos proclamavam que viria. E, de todos os percursores de Cristo, João foi o mensageiro que O anunciou de mais perto.

Porque todos os justos e todos os profetas dos séculos anteriores tinham desejado ver a realização daquilo que já discerniam no futuro de que o Espírito Santo levantara o véu. O próprio Senhor Jesus Cristo o disse: «Muitos profetas e justos desejaram ver o que estais vendo e não viram, e ouvir o que estais ouvindo e não ouviram» (Mt 13,17). Foi por isso que se disse de João Baptista que ele era «mais do que um profeta» e que «entre os nascidos de mulher não apareceu ninguém maior» (Mt 11,9-11).

Com efeito, os justos dos primeiros tempos só haviam podido anunciar Cristo; João Baptista, por seu lado, teve a graça de O anunciar ainda ausente e de O ver finalmente presente. Ele viu Aquele que os outros haviam desejado ver. É por isso que o sinal do seu baptismo ainda pertence ao anúncio de Cristo que está para vir, mas já no limite da espera. Até ele, houve predições da primeira vinda do Senhor; agora, depois dele, já não se prediz a vinda de Cristo, proclama-se essa vinda.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção