Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Marx e os seus dominaram a educação brasileira

Que os livros didáticos oferecidos paras as escolas no Brasil inteiro serem fundamentados em figuras como Paulo Freire, Michel de Foucault, Jonh Dewey, Antonio Gramnsci e Jean-Jacques Rosseau, é um fato notório, e basta qualquer passada de olhos nestes mesmos livros que os professores usam em suas aulas e os que eles mesmos utilizam para se formarem, para notarmos a ideologia social presente destes senhores acima citado em todos os campos do conhecimento, em todas as áreas, pois se focaram não no conteúdo em si das matérias mas na forma, na didática utilizada, tornando assim qualquer matéria meio de formação segundo a ideologia que desejam fixar nas gerações. No trecho destacado abaixo, percebe-se o porque existe uma mudez nacional acerca desta formação ideológica ministrada nas escolas por quase todos os professores. Tirado do site Wikipedia O final deste trecho é o mais importante, pois é através dele que podemos perceber a profundidade e extensão do problema a se enfrentar. As obras

BEM VINDO

A morte de um gato!

Muitas vezes me impressiono com as reações humanas, algumas dignas de estudos científicos, seja no campo da psicologia, psiquiatria ou até da parapsicologia. O ser humano com certeza é um ser muito complexo... me pergunto se mais na sua biologia ou no complexo sentimental. Me inclino a considerar esta dimensão sentimental muito mais complexa do que o organismo biológico em si, com tudo o que o complementa. O assunto deste post se assemelha com outro que escrevi a mais tempo (http://www.valderi.com.br/2009/09/somente-um-cachorro.html), mas vamos lá.

Num destes dias atrás, soube de alguém que derramou prantos e prantos pela morte acidental de uma gata, um animalzinho de estimação. Era uma gatinha, de poucos dias de vida. O momento derradeiro aconteceu assim: Estava uma senhora, acredito que uma parente da lamentosa, pronta para sentar-se quando misteriosamente apoiou a pé, onde todo o seu corpo se apoiava, em cima da bichana. O resultado não foi outro senão o esmagamento parcial da cabeça e tórax do animalzinho de poucos dias qua mau tinha forças para dar os seus miados. Fim trágico para a parca peluda!

Esta jovem que lágrima após lágrima lamentou a morte desta pequena gata, deixou-me a pensar nisto que acima escrevi, a complexibilidade interior do ser humano. Como pode uma pessoa, supostamente centrada, com a vida resolvida, com pai e mãe, irmãos e irmãs, amigos reais e virtuais… como pode alguém assim se desmanchar tanto por um pequeno animal irracional, que apenas em teoria alguns dizem ter sentimentos? Como é possível chorar por esta morte, e não pela morte de um delinguente, que apesar de sua vida moral reprovada, ainda assim é superior a uma gatinha?

Tudo para mim parece difícil de entender, tanto que não busco uma resposta exata, mas o que pretendo é refletir e ainda mais chego a real necessidade do ser humano aprender a sentir o humano em todos os humanos, para não transformar em humano – objeto de nossa relação – animais e máquinas.

Para quem acha que sou frio no que escrevo porque não tenho um convívio com algum animal de estimação digo que estão enganados. Tenho meu cachorro, um cão da raça Chow Chow. Brinco com ele, cuido dele, mas sei o que e quem ele é, por isso organizo meus sentimentos.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção