Pular para o conteúdo principal

§ LEITURA RECOMENDADA

Por que não odeio o Papa Francisco

"Quem critica e ataca o Papa Francisco não é católico", esta afirmação já ouvi e li inúmeras vezes, tanto de católicos batizados como de pessoas de outras religiões e mesmo os ditos ateus. Já faz algum tempo que li um artigo no site Presbíteros intitulado Ataques ao Papa , publicado em 27 de fevereiro de 2020, onde o Mons. José Maria Pereira aborda a questão através da íntima ligação Papa-Igreja-Cristo, chegando a síntese na qual os ataques oriundos de batizados seriam um ataque a própria Igreja - que por sua vez é a Mãe de todos os católicos, na evangélica ligação de Maria Santíssima com a Igreja - e assim ao próprio Jesus Cristo. Por mais errada que seja uma mãe, o filho não fica falando mal, expondo a mãe em praça pública. A Igreja é nossa Mãe, merece o nosso respeito e o nosso amor. (Mons. José) Monsenhor José associa levianamente crítica a ataque, sem a precisão conceitual que a relevância do tema exige. Posso sim criticar minha mãe diante de meus irmãos, mas isso não eq

DJC: Paz a gente conquista?

Olá.

Hoje a tarde escutei algo que me deixou incomodado.

Escutei uma senhora, pessoa de muita participação em minha paróquia dizer em programa de rádio local, que a paz se conquista.

Logo fiquei na dúvida… será mesmo assim? A “paz” a gente conquista?! Pensei até em ligar para meu pároco para perguntar-lhe, mas logo decidi eu mesmo refletir sobre o assunto ao invés de buscar uma resposta pronta.

Se a paz a gente conquista, o que é a paz? Um prêmio? Algo objetivo, empírico? Algo para se guardar numa estante como um troféu?

Esta perguntas me fazem ficar mais confuso sobre a afirmação de que a paz a gente conquista!

Talvez se pensar na “paz” como algo subjetivo, no sentido contrário ao objetivo, concreto, algo vivível, ou seja, algo do tipo, “postura”, “estado de vida”.

Hum… acho que estou chegando lá!

Paz, poderia ser encarado como um modo de viver, isto é, eu não digo “tenho a paz”, mas digo “vivo em paz”, pois a paz se vive, é uma consequencia de nosso modo de viver, uma consequencia de nossos atos, pensamentos e palavras.

Mas penso que posso dizer também “tenho a paz” se aceito que a “paz” é o próprio Deus, neste sentido, se vivo na Graça de Deus, posso dizer que tenho a paz, pois tenho a Deus.

Concluo dizendo que não posso concordar plenamente com esta senhora quando ela diz que a paz a gente conquista, pois a paz a gente vive, se tenho a Deus vou viver em paz, a verdadeira paz.

Até mais!

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção