Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Cooperatores veritatis

É verão e esta chovendo, aquelas típicas chuvas de verão, rápidas e de violência amena o suficiente para refrescar o ambiente. O calor excessivo não me anima a escrever, mas a chuva faz este trabalho de animação, e por isso estou aqui para escrever sobre um assunto ou ideia que estava engavetada com muitas outras. Quando falamos nos estudos acadêmicos em "buscar a verdade", "transmitir a verdade", "servir a verdade" ou mesmo em "obedecer a verdade" muitas vezes pressupõe-se a realidade VERDADE que pode-se simplesmente apresentá-la como Aristóteles, mas a verdade mesmo é uma PESSOA, e escrevo em caixa alta porque refiro-me a Deus mesmo, o Criador por excelência, fonte de toda a realidade existente. De fato, nada existe sem a consciência Divina que existe pensando em tudo e em todos, já que o seu esquecimento de alguma realidade significaria a inexistência desta realidade. Se você não chegou a esta certeza da dependência da realidade do pensamento

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡


A princesa do castelo de Wangenbourg

Num tempo longínquo morava no poderoso castelo de Wangenbourg, na Alsácia, um senhor muito encrenqueiro e de moralidade bastante duvidosa.

Ruínas de Wangenbourg

Voltando com seus companheiros de armas de uma expedição guerreira, ele viu uma bela donzela num prado florido.
Com ramalhetes de margaridas nos braços, ela resplandecia de beleza.
O senhor quis seduzi-la de todas as formas.

Mas, além de bela, nossa princesa fora abençoada no nascimento por um poderoso anjo, e tudo nela era maravilhoso.

Numerosos pretendentes quiseram conquistá-la, mas como era muito jovem para casar, recusou todos os candidatos.
O senhor de Wangenbourg aplicou todos seus jeitos para conquistar essa torre invencível...
E eis que, num belo dia, ela aceitou o pedido!
Ele lhe prometeu só amar a ela e não desejar outros corações.
E eles foram felizes, pois malgrado as tentações da vida do grande senhor, ele respeitou a promessa.
Mas certo dia ele começou a olhar para outras moças, e recomeçou no “mentiroso” a vida de outrora.
Nossa princesa ficou fortemente magoada e até desesperada. E decidiu lavar-se da afronta na cachoeira de Nideck, que ela conhecia bem.
Mas Wangenbourg distava muito de Nideck para uma delicada princesa ir a pé.

No caminho, ela se feriu várias vezes nos espinheiros, nas pedras pontudas e nos galhos secos.
Ela achava que uma chama do inferno saía do chão para queimá-la. Além do mais, a densa floresta deixava passar muita pouca luz.
Quando ela chegou no alto da cachoeira, estava esgotada e suas pernas não conseguiam mantê-la em pé. E a infeliz princesa ensangüentada caiu no vazio.
Tendo seu bom anjo visto todas as suas infelicidades, chegou como um raio e a segurou na queda fatídica.
Mas, o anjo disse para si mesmo:
̶  O que farei com uma beleza desesperada, sempre procurada pelos homens?
E então lhe veio uma idéia luminosa:
̶  Vou levá-la para o Céu.
Desde aquele dia, os habitantes da região dizem que uma sombra branca dança sobre a espuma da cachoeira avisando que uma tempestade está perto.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção