Pular para o conteúdo principal

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ LEITURA RECOMENDADA ≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡

Marx e os seus dominaram a educação brasileira

Que os livros didáticos oferecidos paras as escolas no Brasil inteiro serem fundamentados em figuras como Paulo Freire, Michel de Foucault, Jonh Dewey, Antonio Gramnsci e Jean-Jacques Rosseau, é um fato notório, e basta qualquer passada de olhos nestes mesmos livros que os professores usam em suas aulas e os que eles mesmos utilizam para se formarem, para notarmos a ideologia social presente destes senhores acima citado em todos os campos do conhecimento, em todas as áreas, pois se focaram não no conteúdo em si das matérias mas na forma, na didática utilizada, tornando assim qualquer matéria meio de formação segundo a ideologia que desejam fixar nas gerações. No trecho destacado abaixo, percebe-se o porque existe uma mudez nacional acerca desta formação ideológica ministrada nas escolas por quase todos os professores. Tirado do site Wikipedia O final deste trecho é o mais importante, pois é através dele que podemos perceber a profundidade e extensão do problema a se enfrentar. As obras

BEM VINDO

Como? “posição da Igreja Católica” ???

>> Extraído na íntegra da Folha da Manhã:

Os bispos de Campos, dom Ferrería e dom Rifan, se manifestam, em nota, sobre a posição da Igreja Católica em relação ao Projeto de Lei 122 e seus substitutivos (incluindo o direcionado ao que trata da homofobia).

Abaixo, a íntegra da nota enviada por e-mail aos jornais:

 

“Nota de esclarecimento pastoral à comunidade católica de Campos

Nós Bispos e Pastores próprios da Diocese de Campos e da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, vimos a público para esclarecer a população católica, a todos os cristãos e pessoas de boa vontade, o nosso posicionamento a respeito da PL 122 e seus substitutivos (incluindo o substitutivo ao PNE) a respeito da homofobia:

Condenamos toda violência, discriminação e preconceitos contra as pessoas homossexuais.

Defendemos a acolhida, a pastoral da diversidade onde estas pessoas possam expressar suas buscas e como todo cristão viver a fé e a conversão.

Questionamos, no entanto, estes projetos porque criminalizam a opinião e a adesão à antropologia cristã e à teologia revelada sobre a família e o casamento, confundindo crime de ódio com a legítima exposição do pensamento, aliás, fundamental para o Estado de Direito.

Não pode ser relegada ou confinada ao âmbito das Igrejas, ao interior das sacristias, a liberdade de expressão e consciência, pois sem elas não existe mais liberdade religiosa no país e rasgaríamos o art. V da Constituição, enveredando para um totalitarismo de gênero.

Ao serem aprovados estes projetos, longe de se proteger a comunidade “homo-afetiva”, serão acrescentados pretextos  para o ódio discriminatório, que todos repudiamos.

Era o que tínhamos a manifestar em defesa da verdade e do bem comum.

Deus abençoe a todos/as!

 

Dom Roberto Francisco Ferrería Paz                          

Bispo Diocesano de Campos    

         

Dom Fernando Áreas Rifam

Administração Apostólica  Pessoal São João Maria Vianney”

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção