Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE:

Igreja que não converte mais ninguém

Que existe uma profunda e evidente crise dentro da Igreja Católica a grande maioria dos seres racionais já conseguiu perceber. O que para muitos destes é ainda obscuro é a raiz disso e a postura que se deve tomar para ajudar a sanar tal crise. Não é simples ou fácil elucidar isso, eu mesmo não o posso fazer, mas aproximações reais a esta crise e a posição a qual devemos ter são possíveis e reais diante de um honesto esforço. Ouso dizer que, mesmo Joseph Ratzinger, que na minha opinião é o maior teólogo vivo, não conseguiu ou não quis apresentar o panorama real e profundo desta crise e sua raiz que esta mais atrás do que muita gente pensa. Hoje o esforço analítico é deveras enorme, pois muitos que poderiam já terem apresentado trabalhos sobre isso, aparentemente resolveram calar-se ou mesmo guardar para si, por medo ou intimidações variadas, suas análises sobre este tema. É grande o trabalho de compreensão e de inúmeras influências e inúmeras consequências de tudo o que nos fez chegar a

Sexta-feira – Ap 10,8-11 Lc 19,45-48

XXXIII Semana do Tempo Comum

Pe. Valderi da Silva

Somos convidados a debruçar mais atenção a estas palavras do Apocalipse que hoje ouvimos na liturgia. Nela uma voz vinda do céu pede a João que pegue o “livrinho” da mão do anjo, este anjo ao entregá-lo diz para o comer. Parece-nos um tanto irreal esta cena do anjo pedindo que se coma um livro, por menor que seja, mas precisamos lembrar que se trata de uma visão, e como tal, tem de ser interpretada e não entendida literalmente. É por isso que enxergamos neste “livrinho” de que fala João, a Palavra de Deus. Comê-la precisa ser visto como ingerir a Palavra de Deus, ou seja, não ser um escudo onde a Palavra de Deus vêm em direção dele, mas encontra esta resistência e nem sequer aproxima-se do ouvido. Comer algo é transformar isto que esta fora de nós em parte de nós depois que o ingerimos, assim como o alimento se torna parte de nosso corpo após uma refeição. Comer a Palavra de Deus, pode nos dizer que devemos ter revisar nossa postura diante dela, notar se realmente estamos transformando o que ela é em parte do nosso “corpo”, ou seja, em parte de nossa vida.

Disto podemos dizer mais ainda. Para se comer algo é preciso sentir a necessidade deste “alimento”, assim como acontece em nossa vida fisiológica. Sentimos a necessidade de nos alimentar, então procuramos algum alimento que possa satisfazer esta necessidade e então o ingerimos. A Palavra de Deus, para ser aceita como alimento, antes precisa ser sentida como uma necessidade para nos nutrirmos. Já percebemos que ela é alimento que nutre para a vida eterna, mas que também nos orienta neste mundo em vista do mundo futuro. Existe a necessidade, cada ser humano precisa conhecê-la para senti-la e então reconhecer-se dependente deste alimento eficaz.

Pegando o “livrinho” das mãos do anjo, este fala a João: “será amargo no estômago, mas na tua boca, será doce como mel” (Ap 10,9). Certamente se percebe neste recado do anjo, que a Palavra de Deus, pode muitas vezes ser-nos amarga pela aparente dureza das palavras que a compõe. Mas existe outro motivo para ser-nos amarga, a falta de familiaridade com ela. Assim como alguém pode achar amargo algum alimento que não esta acostumado a comer, mas que após a familiaridade com ele acaba por não achá-lo mais tão estranho. É por isso que o anjo diz que será amargo ao estômago, mas doce na boca, para que também tenhamos bem presente esta realidade da Palavra de Deus e nossa. De fato, mesmo sendo-nos amarga em nosso interior, é nos doce e suave proclamá-la se censura e com amor.

Jesus nos mostra uma atitude realmente de acordo com esta compreensão que acabamos de elucidar. Entrando no Templo toma-se de uma atitude muito intragável a quem esta acostumado somente com o “mel” da imagem de Jesus, colocando-se até em escândalo por Jesus ter tido tal reação diante dos vendedores no Templo. Mas o que acontece com muitos é que ficam na atitude violenta, e não entendem o que Jesus quis mostrar com tal: “Está escrito: Minha casa será casa de oração” (Lc 19,46). A perversão da finalidade do Templo moveu o coração e a atitude de Jesus para tomar esta atitude. Bom exemplo de que a Palavra de Deus pode ser amarga quando se apresenta a nós, mas é doce ao entendê-la e proclamá-la.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção