Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

Sábado – Fl 1,18b-26 Lc 14,1.7-11

XXX Semana do Tempo Comum

Pe. Valderi da Silva

“Para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Fl 1,21).

Com esta frase, Paulo nos deixa a expressão mais condensada daquilo que deve ser em última instância, o mais relevante na vida do cristão. O nosso viver deve ser Cristo, ou seja, vivemos para Ele, com Ele e Nele. Nosso viver deve estar direcionado para Jesus Cristo, em tudo o que fazemos, de modo que nossa vida possa ter razão de existência por causa de Cristo. Viver para Ele significa um desprendimento total daquilo que pode nos amarrar neste mundo, daquilo que nos pode prender a amores e paixões daqui. Perceberemos então, que viver para Cristo é não viver para o mundo, não viver para meus egoísmos, não viver para tudo o que possa desejar se por acima de Deus.

Tendo esta compreensão e esforçando-nos a viver somente para Ele, conseguiremos atingir o “viver com Ele”. Pois é muito difícil viver com Cristo se nos pomos a dividi-lo com estas coisas que nos reclamam nosso amor. Em realidade, percebemos aqui a exigência de Jesus para segui-Lo, deixar tudo o que temos, tudo o que nos prende no amor, para ir somente atrás Dele. Não seria também uma exigência para a santidade? Já que santidade é viver um pincelada do que contemplaremos na eternidade? Acredito que podemos entender desta forma, apesar de parecer-nos algo que torna a missão da santidade quase impossível. Mas considerando que nossa vida humana como esta foi o próprio ser humano que a forjou, lembraremos que o Criador não muda, e continua a chamar mesmo assim, os homens e mulheres para a mesma vida e da mesma forma desde a criação.

Uma vida Nele, é o que resulta de tal esforço para livrarmo-nos deste mundo que o ser humano forjou para si, alheio ao desejo de Deus. Uma vida em Cristo é uma vida na Graça de Deus, capacidade para fugiu ao pecado, que corrompe o coração e a mente do ser humano. Paulo diz viver em Cristo, por que têm esta consciência de viver na Graça de Deus, consciência de ter a capacidade de resistir as insídias do tentador e ser mais forte que a “força” de suas debilidades humanas.

Mas Paulo completa dizendo ser a morte um lucro em sua vida. Diante de tal compreensão do viver cristão, é muito compreensivo que ele conclua ser a morte terrena um lucro inestimável, pois se trata de deixar este mundo de peleia para ingressar finalmente na eternidade, onde gozará da presença mais que sensível de Deus.

A pouco lembrávamos de nossos falecidos e justamente vinha-nos esta reflexão de como é importante ao cristão a reta, serena e alegre compreensão da morte, pois se trata desta passagem à casa preparada por Deus a todos os seus amados.

Este esforço de cada cristão em viver no Cristo, acaba acrescentando o esta mensagem de Jesus no evangelho. A necessidade da humildade em todos os momentos da vida nos é uma exigência para atingirmos a estatura de Paulo. De fato, a humildade como sabemos é a mãe de todas as virtudes, e portanto se faz de extrema necessidade para que obtenhamos em nosso espírito todas as forças para superar as debilidades humanas e as tentações mundanas. Procurar sempre a humildade, pois é no rebaixamento que encontraremos a glorificação junto de Deus (cf. Lc 14,11).

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova