Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

A agonia de um filósofo

 Agonizar nada mais é que sentir em si mesmo, no seu corpo e na sua mente, as dores de algo inevitável que na maioria das vezes não fora desejado. Costumamos lembrar dos agonizantes nos hospitais que diante da doença que lacera seus órgãos sente as "dores da agonia", um prefácio do suspiro final. Não é diferente pensar da mais famosa das agonias já conhecida pelos homens, a agonia de Jesus Cristo no Horto das Oliveiras, também uma antessala do consumatum est numa cruz entre dois ladrões. Uma agonia não necessariamente encerra-se com a morte, com o suspiro final desta existência terrena. Sofremos de agonias que podem dilacerar nossa mente e nosso espírito diante de muitas outras situações que se apresentam em nossas vidas. E aqui gostaria de trazer à mente uma agonia tão antiga, tanto quanto a do próprio Jesus Cristo, que alguns seres humanos sofrem silenciosamente, mas experimentam uma dor horrível, não no corpo físico, nos órgãos, mas na mente, na consciência. A agonia de um

Fortea responde a Amorth: se existe satanismo no Vaticano é preciso prová-lo

Pe Fortea e Pe Amorth O conhecido sacerdote e exorcista espanhol Juan Antonio Fortea, respondeu à afirmação de outro famoso exorcista, o italiano Gabriele Amorth, de 85 anos, quem assinalou há alguns dias que "dentro do Vaticano também existem satânicos". O Pe. Fortea disse que este tipo de afirmação deve ser provada e que embora entre os cardeais possa haver alguns "mais terrestres", "daí a afirmar que alguns cardeais são membros de seitas satânicas há um trecho inaceitável".

Em uma entrevista concedida ao jornal italiano Il Foglio no passado 28 de fevereiro, o Pe. Gabriele Amorth disse que a existência do satanismo no Vaticano é algo que sabe por "pessoas que o conheceram diretamente. E além disso é uma coisa ‘confessada’ em outras ocasiões pelo mesmo demônio, sob obediência, durante os exorcismos". Deste modo indicou que isto é algo do que o Papa Bento XVI "foi informado. Mas faz o que pode".

Ante estas afirmações, o Pe. Fortea considera "um dever de justiça dizer algumas coisas em defesa do Colégio Cardinalício e do Vaticano em geral".

Para o exorcista espanhol, "evidentemente, agora como em todos os tempos, há prelados mais espirituais e outros mais terrestres, uns mais virtuosos e outros mais humanos. Mas daí a afirmar que alguns cardeais são membros de seitas satânicas há um trecho inaceitável".

Seguidamente relata que "aos que oramos por possessos durante anos de forma cotidiana, nos aproximam inumeráveis pessoas que afirmam ter visões, revelações e mensagens de Nosso Senhor. Certo número deles nos oferecem mensagens apocalípticas e revelações a respeito da infiltração do satanismo e da maçonaria entre a cúpula da Igreja".

"Não é preciso dizer que a única postura aceitável para nós é suspender juízo ante dons cujo discernimento requer de muito tempo, às vezes meses para cada um dos casos", adiciona.

"A segunda fonte –prossegue o Pe. Fortea em seu blog– pela que se pode chegar a acreditar que na cúpula da Igreja pulula o Mal em suas piores formas, são as coisas que nos dizem os demônios nos exorcismos. Não é preciso dizer que saber quando um demônio diz ou não a verdade é, em muitos casos, impossível".

O sacerdote espanhol explica que "podemos saber com muita segurança quando um demônio diz a verdade na matéria diretamente relacionada com o exorcismo. Quer dizer, número de demônios, nome deles e coisas similares. Mas não podemos ter segurança no campo relativo a notícias concretas relativas a pessoas".

O Pe. Fortea explica logo que "o Padre Amorth não tem outras fontes de conhecimento que as duas que acabo de citar, a suas mesmas palavras remeto para esta afirmação. Mensagens similares através dessas fontes é um pouco sabido por mim assim como por outros muitos colegas há muitos anos. Entre os exorcistas, alguns chegaram a conclusões similares às do padre Amorth. Outros, não".

"Nosso Colégio Cardinalício se o compararmos com séculos passados é o mais edificante e virtuoso que conheceu a História. Seria necessário retornar à época do Império Romano para encontrar um corpo de eleitores tão afastados de toda pretensão terrestre como o atual. Os cardeais serão melhores ou piores, mas todos têm reta intenção e procuram a glória de Deus", prossegue.

Finalmente o Pe. Fortea assinala que "as afirmações devem ser provadas, sobre tudo quando se trata de acusações tão graves que afetam a venerabilidade daqueles que formam parte da Cabeça da Igreja enquanto ajudam o Supremo Pastor".

_____________________________

Fonte: ACI [notícia do dia 02 de março de 2010]

Comentários

Anônimo disse…
O problema está em provar. Até posso acreditar nas ceitas satanicas em roma mas a questão está em saber onde existe. Não estou a haver os satanicos a revelar tais "esconderisos"...

Olga.
VALDERI SILVA disse…
Realmente Olga, provar sempre é a questão. Mas o fato é que quem afirma isto é um sacerdote que conhece mais do que a maioria o que se passa dentro dos muros do Vaticano. Ali com certeza existe alguns que não são tão virtuosos como deveriam... isto não é tão escandalizador quando lembramos que são humanos e onde existe a humanidade existe o pecado.
Mas são considerações pessoais, que merecem atenção pelo fato de quem as faz.

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova