Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

A agonia de um filósofo

 Agonizar nada mais é que sentir em si mesmo, no seu corpo e na sua mente, as dores de algo inevitável que na maioria das vezes não fora desejado. Costumamos lembrar dos agonizantes nos hospitais que diante da doença que lacera seus órgãos sente as "dores da agonia", um prefácio do suspiro final. Não é diferente pensar da mais famosa das agonias já conhecida pelos homens, a agonia de Jesus Cristo no Horto das Oliveiras, também uma antessala do consumatum est numa cruz entre dois ladrões. Uma agonia não necessariamente encerra-se com a morte, com o suspiro final desta existência terrena. Sofremos de agonias que podem dilacerar nossa mente e nosso espírito diante de muitas outras situações que se apresentam em nossas vidas. E aqui gostaria de trazer à mente uma agonia tão antiga, tanto quanto a do próprio Jesus Cristo, que alguns seres humanos sofrem silenciosamente, mas experimentam uma dor horrível, não no corpo físico, nos órgãos, mas na mente, na consciência. A agonia de um

Fides et Ratio: 12 anos - I Postagem

Postagem I

Hoje se lembra a passagem de doze anos que a humanidade pode contar com existência desta carta encíclica do venerável João Paulo II. Misto de reflexão filosófica sobre o ser com uma aguçada meditação sobre o reflexo de tal pensamento no homem moderno, Fides et Ratio é uma referência para o estudo sobre a arte da sabedoria, entendendo ela como essencial união entre o crer e o entender, entre a fé e a razão.

Quem sou eu? Donde venho e para onde vou? Porque existe o mal? O que é que existirá depois desta vida? Estas perguntas encontram-se nos escritos sagrados de Israel, mas aparecem também nos Vedas e no Avestá; achamo-las tanto nos escritos de Confúcio e Lao-Tze, como na pregação de Tirtankara e de Buda; e assomam ainda quer nos poemas de Homero e nas tragédias de Eurípides e Sófocles, quer nos tratados filosóficos de Platão e Aristóteles. São questões que têm a sua fonte comum naquela exigência de sentido que, desde sempre, urge no coração do homem: da resposta a tais perguntas depende efetivamente a orientação que se imprime à existência.

FIDES ET RATIO

Introdução [1-6]

CAPÍTULO I - A REVELAÇÃO DA SABEDORIA DE DEUS [7-15]

CAPÍTULO II - CREDO UT INTELLEGAM [16-23]

CAPÍTULO III - INTELLEGO UT CREDAM [24-34]

CAPÍTULO IV - A RELAÇÃO ENTRE A FÉ E A RAZÃO [35-48]

CAPÍTULO V - INTERVENÇÕES DO MAGISTÉRIOEM MATÉRIA FILOSÓFICA [49-63]

CAPÍTULO VI - INTERACÇÃO DA TEOLOGIACOM A FILOSOFIA [64-79]

CAPÍTULO VII - EXIGÊNCIAS E TAREFAS ACTUAIS [80-99]

CONCLUSÃO [100-108]

NOTAS DA FIDES ET RATIO

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova