Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

Exaltação da Santa Cruz

Evangelho (Jo 3,13-17): Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: «Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu: o Filho do Homem. Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também será levantado o Filho do Homem, a fim de que todo o que nele crer tenha vida eterna. De fato, Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele».
O ser humano que vive afastado do coração de Deus não suporta ver a cruz pois não entende, muito menos a vê como necessária para a humanidade. Na verdade, e um sintoma do famoso sentimento de repulsa do sofrimento.
A cruz de Cristo nos traz a memória o sacrifício, a doação que nos ajuda no desenvolvimento pessoal sem falar do largo crescimento espiritual que cada pessoa que compreende o sentido de sacrifício adquiri. A cruz nos ajuda no crescimento humano e espiritual e mais ainda, ajuda nossos irmãos necessitados, pois nos sacrificando exercitamos de alguma forma caridade e um dos alvos dela sempre será o nosso irmão mais próximo.
Se a sociedade hodierna anda tão confusa que alguém poderia não ter mais esperança nos homens, é porque a Cruz de Cristo foi afastada aos poucos e hoje se colhe os frutos desta atitude aplaudida pelo príncipe da mentira.
Nunca percamos de nosso horizonte a Cruz de Cristo, ela é nossa direção certa.

Pax Christi

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova