Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

Aplausos e decepção!

Na vida de quem lê diversos textos sempre tentando analisar o estilo de seus escritores sempre este duplo sentimento esta presente. Aplasusos por algo que tal escritor publica e noutro texto decepção pelo conteúdo infeliz (no mínimo) revelando completa ignorância em determinados assuntos.

Este sentimento dicotômico se abateu sobre mim neste dia (25/07/2010) ao ler o texto A fé de uns e de outros, de Martha Medeiros (Zero Hora de 25/07/2010). Já havia elogiado esta escritora a algum tempo, mas neste texto li a declaração de ignorância dela sobre um assunto considerado por muitos polêmico, mas que não passa de assunto desconhecido por aqueles que não querem se comprometer. Quando se quer entrar no circulo da polêmica eles ensinam a receita: basta dar uma opinião que vá em desecadordo com a verdade defendida a séculos ou ir contra a alguma instituição milenar.

Para esta escritora apenas algumas curtas respostas, visto que respostas muito longas pelo jeito não seriam muito bem abstraídas.

- Homossexualidade é estado não necessariamente atitude.

- A Igreja e outros nunca iram aceitar a atitude homossexual que vemos “legalizadas” numa sociedade dita “moderna”.

- O casamento homossexual legaliza civilmente o que naturalmente é mal, desordenado, do ponto de vista da natureza humana (nisto a ATITUDE homossexual não é “inerente” ao ser humano, como quer dar a entender a escritora).

- As religiões promovem a paz e amor, mas ela nasce depois de se conquistar algo, as vezes por algum conflito por defender a verdade, por isso que os cristãos se levantam contra as leis que aprovam o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, por que fere gravemente a verdade da natureza humana.

- Acreditar em Deus… bom, até Satanás acredita nele, de modo que isto jamais será argumento para dizer que este ou aquele esta exagerando ou é um fanático que não enxerga a realidade, muito menos é justificativa para defender minha tese relativista e as vezes até “anarquista”.

Minha aversão a esta escritora esta somente no plano deste seu escrito em especial (que revela sua idéia a respeito), não sou antipático a pessoa que o escreve. Apenas suplico que ela leia mais e, se acredita em Deus como disse, reze e reflita mais.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova