Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

CMC: Livro I – Parte I – Capítulo I – Artigo III [nn. 20-22]

III. O medo. 1. Conceito. Medo é a inquietação do espírito pela apreensão de um mal iminente.

Trata-se aqui do influxo que o mal pode exercer sobre o espírito, não do influxo que pode exercer sobre o apetite sensitivo (cf. n. 23). O mal pode ameaçar aquele que teme os parentes, amigos, etc.

21. 2. Divisão. O medo pode ser:

  • grave ou leve conforme o mal iminente for grande e quase inevitável, ou pequeno (ou ainda grande, mas tal que se lhe possa fugir facilmente). Cf. n. 723.

O medo pode ser absoluta ou relativamente grave conforme o mal iminente for capaz de abalar qualquer homem normal ou somente determinada pessoa mais sujeita à ação do medo por sua timidez natural. O medo reverencial é o receio de resistir a pessoas a que se deve respeito. O desgosto de contrariar pessoas constituidas em dignidade é o medo leve. Mas o temor de vexames, de aversões duradouras etc. pode ser medo grave.

  • ex trínseco ou intrínseco conforme a causa do medo for externa ou interna.

É extrínseco por exemplo, o medo da morte em caso de naufrágio, intrínseco em caso de doença. O medo extrínseco pode ser incutido justa ou  injustamente conforme a pessoa que incute o medo, tem ou não tem direito de incuti-lo.

22. 3. Influxo ou medo na imputabilidade.

O medo nao anula a liberdade dos atos, geralmente porém torná-os menos culpáveis e também menos meritórios.

O medo faz precisamente querer o que não se queria em outras circunstâncias. Quando, sob o influxo do medo, se quer uma ação boa ou má com certa relutância, decresce com isso mesmo o mérito ou a culpa da ação. – Note-se de passagem que às vezes cessa a obrigação das leis positivas por causa de grandes incômodos (cf. n. 56). As leis positivas invalidam muitos atos jurídicos feitos sob influência de grave medo, ou os torna rescindíveis à pedido daquelke a quem se incutiu o medo. Se o medo se estende também à sensibilidade, pode exercer sobre a imputabilidade o mesmo influxo que sobre ela exerce a paixão.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova