Pular para o conteúdo principal

§ LEITURA RECOMENDADA

Por que não odeio o Papa Francisco

"Quem critica e ataca o Papa Francisco não é católico", esta afirmação já ouvi e li inúmeras vezes, tanto de católicos batizados como de pessoas de outras religiões e mesmo os ditos ateus. Já faz algum tempo que li um artigo no site Presbíteros intitulado Ataques ao Papa , publicado em 27 de fevereiro de 2020, onde o Mons. José Maria Pereira aborda a questão através da íntima ligação Papa-Igreja-Cristo, chegando a síntese na qual os ataques oriundos de batizados seriam um ataque a própria Igreja - que por sua vez é a Mãe de todos os católicos, na evangélica ligação de Maria Santíssima com a Igreja - e assim ao próprio Jesus Cristo. Por mais errada que seja uma mãe, o filho não fica falando mal, expondo a mãe em praça pública. A Igreja é nossa Mãe, merece o nosso respeito e o nosso amor. (Mons. José) Monsenhor José associa levianamente crítica a ataque, sem a precisão conceitual que a relevância do tema exige. Posso sim criticar minha mãe diante de meus irmãos, mas isso não eq

Uma palavra já esquecida

Delicadeza: esta é a palavra que expressa um sentimento cada vez mais difícil de se encontrar. Todos nós já passamos muitos dias, ou semanas inteiras, sem receber nenhum gesto de carinho do próximo - são períodos difíceis, quando o calor humano desaparece, e a vida se resume a um árduo esforço de sobrevivência.
Nos momentos em que o fogo alheio não aquece nossa alma, devemos examinar nossa própria lareira. Devemos colocar mais lenha, e tentar iluminar a sala escura em que nossa vida se transformou.
Se somos capazes de amar, também seremos capazes de receber amor: é apenas questão de tempo. E para isso, mais que nunca, é preciso lembrar-se da palavra esquecida - delicadeza.
O respeito para com os outros
Roseana Murray, uma das mais talentosas poetas de nossa geração, escreveu O manual da delicadeza - de A a Z (Editora FTD). A seguir, alguns de seus versos:
A alma é invisível
um anjo é invisível
o vento é invisível
o pensamento é invisível
e no entanto
com delicadeza
se pode enxergar a alma
se pode adivinhar o anjo
se pode sentir o vento
se pode mudar o mundo
com alguns pensamentos
Da delicadeza consigo mesmo
O texto é adaptado de um poema de John Muir (1838-1914):
"Quero deixar minha alma livre, para que ela possa desfrutar todos os dons que os espíritos possuem. Quando isto for possível, não tentarei conhecer as crateras da lua, nem seguir os raios de sol até sua fonte. Não procurarei entender a beleza da estrela, ou a desolação artificial do ser humano.
"Quando souber como libertar minha alma, seguirei a aurora, e buscarei voltar com ela através do tempo. Quando souber libertar minha alma, mergulharei nas correntes que desembocam num oceano onde todas as águas se cruzam, e formam a Alma do Mundo.
"Quando eu souber libertar minha alma, procurarei ler a esplêndida página da Criação desde o princípio".
Da delicadeza com a humanidade
Quando Buda morreu e chegou às portas do Paraíso, uma multidão já o estava esperando. Abriram os portões, cantaram hinos em seu louvor, mas ao invés de entrar, Buda fez sinal de que queria voltar para a terra.
- Entre, estamos ansiosos pela sua presença - disse uma das almas iluminadas.
- Como posso entrar em um lugar que muitos homens ainda não tiveram o privilégio de conhecer? - perguntou Buda. - Como posso entrar se o resto do mundo ainda não entrou?
"Prefiro ficar aqui, e esperar pelo resto da humanidade; a grande alegria de um ser humano é poder compartilhar, com delicadeza, a sua felicidade com os outros."

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Objetos de Devoção