Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

Ovelhas suficientes

No meu livro O Alquimista, o jovem pastor Santiago encontra-se de repente com um velho em uma praça. Está em busca de um tesouro, mas não sabe como chegar até ele. O velho começa a puxar conversa:

- Quantas ovelhas você tem?

- O suficiente - responde Santiago.

- Então estamos diante de um problema. Não posso ajudá-lo enquanto você achar que tem ovelhas suficientes.

Baseado neste trecho, o padre peruano Clemente Sobrado faz uma interessante reflexão, que transcrevo a seguir:

Um dos maiores problemas que todos nós arrastamos através da vida é querer acreditar que temos ovelhas suficientes. Estamos cercados de certezas, e ninguém deseja que alguém apareça propondo alguma coisa nova. Quem dera que pelo menos pudéssemos suspeitar que não temos tudo, nem somos tudo o que podíamos ser!

É possível que todo mundo esteja diante de um problema gravíssimo; e embora tenhamos a oportunidade de ajudar-nos uns aos outros, a verdade é que pouca gente se deixa ajudar.

Por quê? Porque acreditam que já têm ovelhas suficientes. Já sabem tudo, sempre têm razão, estão confortáveis em suas existências.

Quase todos nós somos assim: temos muitas coisas e poucas aspirações. Temos muitas idéias já resolvidas, e não queremos renunciar a elas. Nosso esquema de vida já está bem organizado, e não precisamos de ninguém que venha provocar uma mudança.

Já rezamos o suficiente, fizemos caridade, lemos as vidas de santos, fomos à missa, comungamos. Um amigo meu disse, certa vez:

- Não sei por que venho lhe procurar, padre. Eu já sou um bom cristão.

Naquele dia não consegui escutar isso sem dar uma resposta:

- Então não venha me procurar, porque tenho muita gente me esperando, que estão cheias de dúvidas. Mas quer saber uma coisa? Você não é mau o suficiente para ser mau, nem bom o suficiente para ser bom, nem santo o bastante para fazer milagres.

É apenas um cristão satisfeito com o que conseguiu. E todos aqueles que estão satisfeitos, na verdade renunciaram a melhorar sempre. Conversaremos outro dia, de acordo?

Desde então, quando conversamos ao telefone, ele começa dizendo: aqui está falando uma pessoa que ainda não cresceu tudo o que podia.

Oração

(Clemente Furtado, C.P.)

Senhor, dá-nos sempre um coração insatisfeito.

Dai-nos um coração onde possa se manifestar às perguntas que nunca queremos fazer.

Retira-nos do nosso conformismo.

Que possamos sentir o gosto pelo que temos, mas que entendamos que isso não é tudo.

Que possamos entender que somos pessoas boas.

Mas, sobretudo, que nos perguntemos sempre onde podemos melhorar.

Porque, se perguntamos, é bem possível que Tu venhas e nos abra horizontes que antes não conseguíamos enxergar.

paulocoelho@paulocoelho.com.br
www.paulocoelhoblog.com/bruxadeportobello

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova