Pular para o conteúdo principal

≡≡ LEITURA RECOMENDADA

O conservador na guerra hermenêutica

Contra tudo o que pode parecer comum no mundo atual, o conservador não deixa-se levar pelas pressões sociais e grupais, que muitas vezes cobram altos preços pela aquesciencia ou pelo enfrentamento de ideias e posturas sem nenhum fundamento na realidade, sem nenhuma obediência a natureza mesmo das coisas criadas e sustentadas pelo Criador.  Claro que a imensa maioria destas ideias e posturas que pressionam o conservador originam-se de mentes negadoras da existência de Deus ou negam sua fundamental influência no mundo e na história, o que faz com  estas ideias e posturas já desenvolvam-se alienadas da ideia de um criador e sustentador da existência em seu ser. Esse pressuposto já traz um bom motivo para que o conservador desconfie de qualquer "boa ação" ou "boa intenção" que possa ser apresentada a ele, sendo patrocinada e impulsionada por quem pressupostamente desconsidera o fundamento da realidade existente. Já escrevi aqui sobre a fundamental insistência da mente

Aprendendo com as flores

Por que continuar lutando

O leitor Gerson Luiz conta a história de uma rosa que queria a companhia das abelhas, mas nenhuma vinha até ela.

Mesmo assim, a flor ainda era capaz de sonhar. Ao sentir-se só, imaginou um jardim coberto de abelhas, que vinham lhe beijar. E conseguia resistir até o próximo dia, quando tornava a abrir suas pétalas.

- Você não está cansada? -deve ter perguntando alguém.

- Não. Preciso continuar lutando - responde a flor.

- Por quê?

- Porque, se eu não me abrir, eu murcho. 

Em busca de um sábio

Durante dias o casal caminhou quase sem conversar. Finalmente chegou no meio da floresta, e encontrou o sábio.

- Minha companheira quase não falou comigo durante a viagem - disse o rapaz.

- Um amor que não tem silêncio é um amor sem profundidade - respondeu o sábio.

- Mas ela nem mesmo disse que me amava!

- Há pessoas que vivem dizendo isso. E terminamos por desconfiar da verdade de suas palavras.

Os três sentaram-se em uma pedra. O sábio apontou para o campo de flores ao redor.

- A natureza não fica repetindo o tempo todo que Deus nos ama. Mas, através de suas flores, compreendemos isso.

Na loja de flores

A mulher caminhava por um centro comercial quando reparou no cartaz: uma nova loja de flores. Ao entrar, levou um susto, não viu nenhum vaso, nenhum arranjo, mas era Deus, em pessoa, que estava atendendo no balcão.

- Pode pedir o que quiser -disse Deus.

- Quero ser feliz. Quero paz, dinheiro, capacidade de ser compreendida. Quero ir para o céu quando morrer. E quero que tudo isso seja também concedido aos meus amigos.

Deus abriu alguns potes que estavam na prateleira atrás dele, tirou vários grãos de dentro, e estendeu para a mulher.

- Aí estão as sementes - disse. Comece a plantá-las, porque aqui nós não vendemos os frutos.

Aprendendo a ver

Buda reuniu seus discípulos, e mostrou uma flor de lótus.

- Quero que me digam algo sobre isto que tenho nas mãos.

O primeiro fez um verdadeiro tratado sobre a importância das flores. O segundo compôs uma linda poesia sobre suas pétalas. O terceiro inventou uma parábola usando a flor como exemplo.

Chegou a vez de Mahakashyap. Este aproximou-se de Buda, cheirou a flor, e acariciou seu rosto com uma das pétalas.

- É uma flor de lótus - disse Mahakashyap. - Simples, como tudo que vem de Deus. E bela, como tudo que vem de Deus.

- Você foi o único que viu o que eu tinha nas mãos - foi o comentário de Buda.

Comentários

Publicação mais visitada do site no último ano:

Carta de um leigo a Dom Benedito Beni dos Santos a respetio da “Missa Sertaneja” celebrada pela Comunidade Canção Nova