Nova moeda do Vaticano representa a Mãe Terra? Pachamama?

ACI Digital

O Escritório Filatélico e Numismático do Vaticano colocará à venda a partir do dia 16 de outubro uma moeda de prata de dez euros por ocasião do 50º aniversário do Dia Mundial da Terra, com a figura de uma mulher nativa amazônica grávida e que nas redes sociais foi associada a Pachamama ou “Mãe Terra”, divindade que gerou polêmica no Sínodo da Amazônia.

De acordo com o site do escritório do Vaticano, a moeda criada por Luigi Oldani “representa uma mãe carregando a Terra, a qual devemos cuidar e amar como se fosse uma filha, com longas espigas de trigo nos cabelos, em uma referência cruzada entre o passado e o futuro que se torna atemporal, portanto eterna”.

Moeda de prata que será colocada à venda em 16 de outubro / Crédito: Site do Escritório Filatélico e Numismático do Vaticano

Indicou-se também que um total de 3.300 moedas foram cunhadas no Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato (IPZS) italiano, sob a supervisão da Zecca (Casa da Moeda) do Estado da Cidade do Vaticano.

Também no dia 16 de outubro, será colocada à venda uma moeda de prata no valor de cinco euros, dedicada ao Dia Mundial do Migrante e do Refugiado. Esta mostra São Pedro que “acolhe, protege e cuida de todos aqueles que se refugiam na Igreja e nos interrogam, uma Igreja sem fronteiras, mãe de todos”, segundo o site do Escritório Filatélico e Numismático do Vaticano.

A Mãe Terra

A Mãe Terra ou Pachamama é uma divindade andina identificada com a fertilidade; no entanto, durante o Sínodo da Amazônia, foi apresentada como se pertencesse à cosmovisão amazônica.

A polêmica começou no dia 4 de outubro de 2019, em um evento realizado nos Jardins do Vaticano e organizado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), com o Movimento Católico pelo Clima. Naquele dia, alguns dos participantes realizaram um ritual indígena no qual havia duas figuras femininas que, com o decorrer dos dias, foram identificadas como a Pachamama.

As imagens, que mostravam uma mulher grávida nua, foram instaladas e expostas em um altar na igreja de Santa Maria em Traspontina, dos carmelitas, a poucas quadras do Vaticano. Em 21 de outubro daquele ano, dois homens não identificados roubaram pelo menos cinco esculturas de madeira e as jogaram no rio Tibre.

Nessa mesma igreja, como informou o Grupo ACI, foi realizado de 4 a 27 de outubro de 2019 um evento sincrético que mesclava tradições indígenas da Amazônia com referências cristãs.

Em novembro de 2019, o Bispo emérito de Marajó, na Amazônia brasileira, Dom José Luis Azcona, denunciou a “idolatria” e o “escândalo” em torno de algumas polêmicas imagens da Pachamama, que estiveram presentes em diversos eventos do Sínodo da Amazônia.

Comentários


Anúncio do Blog