Mosteiros enclausurados e seus inimigos

Tradução Blog VALDERI (TL) 
Caros amigos de Duc in altum, após um período de silêncio, a Freira Guerreira voltou a escrever para mim. O que ilustra a situação dos mosteiros de vida contemplativa e deixa claro como o ataque a esse tipo de espiritualidade está ocorrendo não apenas e não tanto de fora, mas de dentro da própria Igreja e de fato de cima.
Aldo Maria Valli

Os números relativos à vida religiosa são impressionantes: nos últimos cinquenta anos, o número de religiosos da vida ativa e contemplativa caiu pela metade e, desde 2010, houve uma diminuição de dez mil religiosos por ano. Nesse ritmo, muitos mosteiros, mesmo na Itália, fecharão por extinção natural.

Diante de tal situação, chegaram documentos do Vaticano que, em vez de salvaguardar as peculiaridades da vida contemplativa, são equivalentes a uma liquidação. "Eutanásia dos mosteiros", assim definiu a carmelita, denunciando "aqueles que trabalham na destruição da vida religiosa".

A nova política do Vaticano em relação aos mosteiros enclausurados, estruturas que muitas vezes têm uma história centenária, pode ser resumida no pedido de abertura à recepção dos pobres e refugiados, como já declarado em 2015 pelo prefeito da Congregação para os Religiosos, o Cardeal Braz de Aviz. Uma meta a ser alcançada graças à "racionalização das estruturas" e à "reutilização de grandes casas", ou seja, mosteiros enclausurados e livres de contemplativos.

Ao mesmo tempo, aprendemos que nos Estados Unidos um instituto religioso que, durante um século e meio, garantiu a adoração perpétua do Santíssimo Sacramento pelas freiras, decidiu reduzir as horas passadas em frente a Hóstia Consagrada, uma redução justificada pela necessidade de alcançar um entendimento "mais moderno" da adoração.

Não há dúvida de que estamos enfrentando um ataque sem precedentes contra a vida contemplativa; um ataque que desta vez não vem, como aconteceu no passado, de fora, mas de dentro da própria Igreja e de fato de seus líderes.

O Código de Direito Canônico declara que "o primeiro e particular dever de todos os religiosos deve ser a contemplação das realidades divinas e a união constante com Deus em oração" (cân. 663), tarefa que se refere especialmente a religiosos e às religiosas que são "totalmente contemplativas", isto é, os membros do povo de Deus que lidam apenas com Deus em solidão e silêncio (Perfectae caritatis, 7). Agora, porém, fica claro que, se o novo modo de entender a vida contemplativa passa pela identificação entre contemplação e ação, somos confrontados não com uma renovação, mas com uma distorção real, uma alteração indevida e inaceitável.

Na carta aos superiores gerais de 2015, o cardeal Braz de Aviz diz: "Não permitiremos que a idéia acabe se separando da realidade". E então: “Muitas coisas tradicionais, muitas que pertencem à cultura do passado, não funcionam mais. Temos formas de vida relacionadas aos nossos fundadores que não são essenciais. Uma certa maneira de orar, uma maneira de se vestir, dando mais importância a certas coisas que não são tão importantes e a outras que são importantes para dar pouco. Não tínhamos essa visão mais global do todo, temos agora. "

Como você pode ver, o critério é a funcionalidade, como se as comunidades monásticas fossem empresas que devem garantir um determinado padrão de produção. A gestão, a eficiência pastoral e missionária, entendida como ativismo no campo social, substituíram a vida de oração e o relacionamento com Deus, mas não existe um tipo de vida integralmente contemplativo que possa se harmonizar com a vida social, conforme exigido pelas novos documentos. A tradição secular sempre enfatizou o papel decisivo e precioso das almas escolhidas por Deus para serem separadas do mundo e estarem exclusivamente com Ele. Portanto, não pode haver nenhuma forma de harmonização entre uma vida integralmente contemplativa e o ativismo social. Tampouco se pode perder a correta autonomia, que deve ser reconhecida por todos os institutos de vida consagrada. Não apenas os próprios institutos, mas toda a Igreja como um todo é chamada a preservar a vida contemplativa, com uma atitude que não pode ser de mero respeito, mas de proteção; caso contrário, nenhum dinamismo será frutífero (cf. Monsenhor Libero Gerosa, Vida Contemplativa e Direito Canônico) , na "Revista da vida espiritual", 73, 2019).

Os documentos sobre a vida contemplativa - que você, Dr. Valli, se ocupou no livro Claustrofobia. A vida contemplativa e suas (d) instruções - foram publicadas pelo Vaticano em 2016 e 2018, "para superar o isolamento de mosteiros", como se o isolamento fosse um problema e não um recurso. Desde o início, esses textos suscitaram preocupações, reservas e preocupações na maioria dos mosteiros do mundo.

Segundo a opinião expressamente autorizada por vários canonistas, a terminologia dos novos documentos sobre a vida contemplativa não é totalmente satisfatória. Os 289 artigos regulatórios do documento Cor orans são "sufocantes" e "impraticáveis", sem mencionar que propõem uma reorganização apressada das estruturas.

A controvérsia que surgiu entre as freiras dominicanas de Marradi (Florença) e as autoridades do Vaticano é o exemplo mais recente de como o esforço para fechar mosteiros com menos de cinco freiras pode se traduzir em um gesto de injustiça brutal.

Marradi, a terra do poeta Dino Campana, é uma pequena cidade de pouco mais de três mil habitantes, que olha para Romagna pelos Apeninos da Toscana. De repente, saltou para as manchetes porque as freiras de claustro dominicanas se barricaram em seu convento, recusando-se a abandoná-lo. Segundo relatos da mídia local, as duas freiras mais velhas devem ser transferidas para um lar de idosos, enquanto outras duas devem mudar de convento. A mesma situação em Viterbo, onde, após o fechamento do mosteiro histórico de Santa Rosa no final de 2015, as três clarissas restantes foram obrigados a sair, apesar de um protesto da população.

O bispo de Viterbo, nomeado comissário do Vaticano, afirma ter salvo o mosteiro; na realidade, transformou-o em museu e confiou sua gestão às freiras alcantarinas, pondo fim aos setecentos anos de presença das Clarissas. O mesmo destino caiu em 2017 para o mosteiro da Visitação em Milão, depois de mais de trezentos anos de vida, e em 2018 para o mosteiro da Visitação em Pistoia, onde o bispo local, achando que ele tinha poderes limitados em comparação com as autoridades do Vaticano, até evitou o presidente freiras federais para não privar a diocese dessa preciosa presença contemplativa. Desatendido, ele então afirmou ler "esses eventos como um aviso severo do Senhor para todos nós".

Em Montalto, em outubro passado, as Clarissas Pobres foram as que, realizando a “renovação” desejada pelo Cor orans, optaram por fechar o mosteiro histórico entre os protestos da população (quinhentas assinaturas foram coletadas contra o fechamento).

As Clarissas Pobres, poucos restaram, decidiram "racionalizar" sua presença. Em Nápoles, o histórico mosteiro da Visitação na área da colina de Camaldoli fechou em silêncio total por decisão da federação e suas freiras foram colocadas em um lar de idosos.

"Rapidamente e com o máximo sigilo" é o imperativo por trás dessas operações. O mosteiro cisterciense na Bolívia sofreu o mesmo destino e o mesmo abuso, denunciado por uma das freiras.

Esses casos deixam claro como as linhas de implementação da Cor Orans estavam em vigor há anos. Os mosteiros pertencentes a uma federação já estavam pressionados e prontos para fechar, privando as freiras do direito à autonomia legal. E agora queremos impor essa lógica a todos os mosteiros, sem exclusão.

Em Marradi, muitas pessoas estão tentando ajudar as irmãs, antes de tudo a administração municipal que se propõe como interlocutora das autoridades religiosas. Na primeira fila, também Paolo Bassetti, ex-prefeito, primo do presidente da CEI, cardeal Gualtiero Bassetti.

A estudiosa marradense Barbara Betti, que estudou o caso e foi contatada discretamente por vários outros mosteiros que tiveram que fechar suas portas ou estão prestes a fazê-lo, diz que as freiras "sofreram assédio moral e psicológico, insultos e em muitos casos empurrões". 

Onde os inimigos da Igreja falharam, agora é a Igreja que está fazendo o trabalho de suprimir os mosteiros.

A irmã Giuseppina Fragrasso, vice-presidente do Secretariado de Assistência às Freiras, em 22 de novembro de 2018, no dia seguinte à primeira convenção organizada pelo Vaticano para freiras enclausuradas, disse que na situação há luzes e sombras: as luzes seriam os mosteiros que tinham a coragem de manter-se atualizado, que envia as freiras enclausuradas para cursos de reciclagem, promove a escuta no salão, a catequese e a lectio divina, ou renunciaram parte do edifício onde vivem para outros usos; as sombras seriam os mosteiros onde prevalecem os "hábitos consolidados ao longo do tempo", onde as freiras "viviam apenas o claustro e o trabalho e agora estão desanimadas". Os últimos seriam mosteiros sombrios que "não têm mais nada de contemplativo ou empolgante".

A irmã Fragrasso é a pessoa designada pela Congregação de religiosos para ajudar freiras e mosteiros. Assistência ou liquidação?
---

Anúncio do Blog