Mohamed Al-Issa em campanha pela "santificação" do islamismo

Francesca de Villasmundo
Tradução do francês: Blog VALDERI (TL)
Quando o secretário-geral da Liga Islâmica Mundial é recebido na catedral de Rouen pelo bispo Monsenhor Lebrun, é uma submissão aberta ao politicamente correto e uma submissão velada à conquista do Islã.

A Liga Islâmica Mundial está em campanha por uma virgindade completa. Em setembro, seu secretário geral, Mohamed Al-Issa, anunciou que visitará o campo de Auschwitz no primeiro trimestre de 2020, no 75º aniversário da libertação dos campos nazistas, na companhia do rabino-chefe da França, neste caso, Haïm Korsia, e o Conselho das Igrejas Cristãs, co-presidido por François Clavairoly.

Em 15 de dezembro, foi na França, em uma de suas memoráveis catedrais, a de Rouen, que ele foi recebido de braços abertos pelo bispo Mons. Lebrun, antes de ir, acompanhado pelo prelado, para Igreja de Saint-Etienne du Rouvray em homenagem ao padre Hamel, que foi morto por dois jovens islâmicos.
Cerimônia de boas-vindas da Luz da Paz, de Belém a Saint-Godard. Os batedores entregaram a Luz a Dom Lebrun e ao secretário geral da Liga Islâmica Mundial, Mohammed Al-Issa, que a levou a Saint-Étienne du Rouvray em homenagem ao padre Hamel #Rouen
Uma abordagem que despertou muitas reações negativas em relação ao bispo acusado de colaborar, e com razão, com um cinturão de transmissão do islamismo wahhabi e salafista, aquele que arma ideologicamente os matadores de jihadistas.



Anúncio do Blog