DIREITOS AUTORAIS
:: Ao compartilhar algum texto, sempre citar a fonte ::
Todos os artigos não assinados são de autoria e propriedade de Valderi da Silva, administrador deste blog.

Cardeal Müller: "Nem o papa nem ... os bispos podem mudar dogmas ... a seu gosto"

Tradução Blog VALDERI (TL)
CIDADE DO VATICANO, 11 de outubro de 2019 (LifeSiteNews) - Um cardeal alemão afirmou em uma entrevista recente que nem o papa nem a "maioria dos bispos" podem mudar os dogmas da fé ou da lei divina para se adequar às suas próprias preferências.


Em entrevista ao La Repubblica, publicada ontem, o cardeal Gerhard Müller defendeu vigorosamente o entendimento ortodoxo, tradicional, do sacerdócio latino celibatário.

Quando perguntado sobre a discussão do Sínodo sobre a possibilidade de abrir o sacerdócio a "viri probati", idosos casados ​​com comprovada fidelidade, o ex-prefeito da Congregação da Doutrina da Fé (CDF) disse que foi um "erro".

"Já existem diáconos casados", afirmou Müller. "Se apresentarmos [padres casados], eles devem respeitar o costume da igreja antiga: eles devem viver em continência."

O cardeal explicou que, mesmo na Igreja Ortodoxa, que tem um sacerdócio casado, os padres casados ​​devem abster-se de relações conjugais nos dias que antecedem a celebração da missa.

"Você não conhece o Sínodo Trullan de 692?", Perguntou ele ao entrevistador.

“Lá, graças à pressão do imperador, a lei do celibato foi dissolvida, mas apenas a Igreja Ortodoxa aderiu a isso. Não é o latino ”, continuou Müller.

"... Quem quer inserir a prática de padres casados ​​na Igreja Latina não conhece a história dela."

O celibato sacerdotal, explicou, é mais do que apenas uma "lei eclesiástica". Ela tem "raízes profundas" no sacramento das ordens, pois o sacerdote é o "representante de Cristo, o noivo". O sacerdócio celibatário tem uma espiritualidade vivida que não pode ser alterado.

A permissão que Bento XVI concedeu aos padres anglicanos casados ​​que se converteram ao catolicismo para permanecer casados ​​ao receber ordens católicas é, disse Müller, "uma exceção".

"Os apóstolos deixaram tudo para seguir a Jesus", observou ele. “Cristo é o modelo para os ministros, os sacerdotes. E isso não pode ser alterado pela pressão secular. ”

Eliminar a lei do celibato contradizia o Conselho do Vaticano.

"Presbyterorum Ordonis, número 16, fala do vínculo de adequação entre quem representa Cristo, o marido celibatário, e a Igreja."

Müller rejeitou a ideia de que o fim do celibato reduziria o número de abusos sexuais.

"Isso vem de uma falsa antropologia", disse ele. “Um ato abusivo contradiz a castidade. O abuso acontece em toda parte, não apenas no sacerdócio. E não devemos esquecer que 80% das vítimas não são crianças, mas meninos adolescentes. Isso significa que muitos abusos são cometidos por pessoas que não querem respeitar o sexto mandamento. "

"Ninguém pode ser admitido no sacerdócio se ele não concordar em viver de acordo com os mandamentos de Deus e as exortações de Cristo."

Müller também desencorajou a idéia de que os conservadores desejam um cisma na Igreja, dizendo que um cisma é contra a vontade de Cristo, bem como uma traição de suas palavras e do ensino dos apóstolos.

"Nenhum papa, nem a maioria dos bispos, pode mudar o dogma da fé ou das leis divinas de acordo com seus próprios desejos", disse ele.

"A tradição da Igreja não é um brinquedo que se possa moldar à vontade."

O cardeal também rejeitou a difamação de que ele é um inimigo do Papa Francisco, dizendo que os verdadeiros adversários do pontificado são aqueles que negam que o papado é uma instituição divina e que desejam mudar a doutrina revelada sem levar em consideração os dois Concílios do Vaticano.

"Quem diz essas coisas causa grandes danos à credibilidade da Igreja Católica."

Quanto à ordenação de mulheres, Müller disse que não podia falar sobre isso porque é "dogmaticamente impossível" chegar ao conceito.

Uma pergunta final, tocada no Instituto João Paulo II, levou o cardeal a dizer que foi um "grande erro" destruir o Instituto e que foi um ataque à qualidade intelectual da teologia católica.

"Todos no mundo acadêmico estão sem palavras", disse ele. “É impensável demitir professores por seu pensamento verdadeiramente ortodoxo. Entre outras coisas, o pensamento deles não trai a doutrina; portanto, não se pode entender por que eles foram mandados embora. ”

Anúncio do Blog