DIREITOS AUTORAIS
:: Ao compartilhar algum texto, sempre citar a fonte ::
Todos os artigos não assinados são de autoria e propriedade de Valderi da Silva, administrador deste blog.

Sínodo Pan-Amazônico: A SALVAÇÃO EM CRISTO NO INSTRUMENTUM LABORIS - IL

Por Dom  José Luis Azcona
"Quanto a mim, não pretendo, jamais, gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo." (Gl 6,14 )
A Igreja existe para anunciar a salvação. Esta é a sua identidade, sua graça, sua vocação.

Salvação, "esse grande dom de Deus que é libertação de tudo aquilo que oprime o homem e que é libertação sobretudo do pecado e do maligno, na alegria de conhecer a Deus e de ser por Ele conhecido" (EN 9).

A evangelização tem como conteúdo essencial e sempre "a salvação em Jesus Cristo Filho de Deus, feito homem, morto e ressuscitado. Salvação que se oferece a todos os homens,culturas e povos como dom, graça e misericórdia do mesmo Deus" (EN 27). "Pela graça fostes salvos por meio da fé. Isto não vem de vós; é dom de Deus" (Ef 2,8;Rm1,16,passim).

Esta salvação é o próprio Jesus Cristo que salva o seu povo dos seus pecados (Mt 1,21) e que profetizada e testemunhada com a própria vida por João Batista, este é enviado a "preparar os seus caminhos anunciando ao seu povo a salvação que está na remissão dos pecados" (Lc 1,77). Esta é a salvação única anunciada em todosos salmos, na lei e nos profetas de que em Cristo sofredor que ressuscita dos mortos e que em seu Nome (obediência até a morte), seja proclamado o arrependimento para o perdão dos pecados a todas as nações, etnias e culturas, também as amazônicas.

Por isso, a única Igreja de Jesus é aquela que testemunha isto. Qualquer outra igreja que não seja fiel a este testemunho é uma congregação de satanás, "pai da mentira" (Jo 8,44) e que chega também na Amazônia "para roubar, matar e dispersar" (Jo 10,10).

Os pastores destes grupos não foram revestidos com o Espírito da verdade, nem batizados com Ele, nem viram realizar-se ainda a Promessa do Pai no novo Pentecostes conciliar, nem experimentaram a força do Alto " (Cfr. Lc 24,44-49; At 2,38;11 15-18;26,19-23; RM 24; Ap 548-549;362).

Esta salvação não é uma salvação imanente ao mundo, limitada portanto, às necessidades humanas materiais e mesmo espirituais (EN 17).

Tão pouco se exaure no âmbito de uma existência temporal que se identificasse com as aspirações e esperanças das culturas e dos povos também amazônicos.

E a "adesão a fé" (Gl 3,2), a única que traz a salvação, é exclusivamente esta: " Nós cremos Naquele que ressuscitou dos mortos, Jesus Nosso Senhor o qual foi entregue a morte por nossos pecados e ressuscitado para a nossa salvação" (Justificação) (Rm 4,24-25).

Não há outro evangelho que este. "Não existe outro Nome no no qual possamos ser salvos ( At 4,12). Evangelho que assumindo, sanando, purificando, renovando, elevando, glorificando com seu poder e sabedoria, é dizer a cruz (ICor 1,17-25) salva toda a humanidade, todos os povos, todas as culturas, toda a história. Não existe outro evangelho!. E isto se silencia no IL.

Se trata da fé. Da fé que é necessária para a salvação. A fé do Símbolo dos apóstolos esquecido pelo IL. De fato, se trata da negação da fé da Igreja, se invalida o Sínodo, se inutilizam todos os esforços para construí-lo e se estrangula de uma vez, a esperança da Amazônia e do mundo.

Em concreto, a esperança proclamada no IL não é a esperança cristã (Hb 11,1); de fato é a negação expressa da "grande esperança" (Spe Salvi). Uma esperaça que "confunde e decepciona" (Cfr Rm 5,5), que fecha de uma vez e para sempre o futuro da Amazônia e do mundo.

Acaba com os "novos caminhos" para a Igreja na Amazônia porque nega o amor de Deus que faz inabalável a esperança (Ibid), sequestrando a cruz de Cristo, única identidade do amor na história e no mundo (Rm 5,6-11).

Sabemos pela fé que esta esperança que não decepciona, é Cristo e Cristo crucificado. "Ave Crux, Spes única! "(Salve Cruz,única esperança).

"Esta salvação ressoou no Sínodo dos Bispos (2002) e deve continuar a ressoar em nossos lábios porque a cruz é mistério de morte e de vida. Anunciamos que na árvore da cruz a vida venceu o inferno"(Cfr Pastores Gregis 5).

A falta de alegria missionária e esta ausência da "grande esperança" evidenciam a negação da cruz de Cristo.

Assim, a missão da Igreja hoje e especialmente na Amazônia fica absolutamente esvaziada e anulada:"A Igreja dos profetas das testemunhas e dos servidores da esperança"(Ibid) estamos tragicamente diante de uma recaída fatal, portanto, no paganismo,"para quem não há esperança"(Ef 2,12-14).

Analisemos nestes tempos conturbados as regras de discernimento cristão que dirige a Igreja.

1.As Instituições da Igreja: Dioceses, paróquias, CEBs, Novas Comunidades, Grupos, Estruturas estão vivas e portanto são missionárias enquanto nos convidam, chamam, animam e ajudam a seguir o Senhor Jesus até o calvário."Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz a cada dia e síga-me"(Lc 9,23).

2.A verdadeira unidade eclesial assim como as divisões entre nós,também diante do Sínodo, dependem disso: até onde servimos nós ao Senhor Jesus, seguindo-o com a cruz nos ombros e até onde Ele, enquanto crucificado é negado, renegado por nós em nome da religião, das estruturas eclesiais, da organização, do meu organograma pastoral, do "meu" Sínodo?

3.Proclamar no Sínodo a fé em Jesus de Nazaré como Filho de Deus e Messias (Mt 16) não salva a ninguém. Até podemos merecer o nome de satanás (Como Pedro) se pensamos Nele como os homens e não como Deus.

4.Assim, a comunhão na Igreja será uma encenação vã que representará uma comunidade de homens e mulheres devotos, piedosos, unidos por rituais de rara solenidade, sem vigor missionário,bem longe do povo de Deus vivo, resgatado e reunido pelo sangue do Cordeiro e no Corpo de Cristo. A Comunidade de Cristo está dividida e deixa de ser missionária quando esquece a sua identidade mais profunda: Estar crucificada com Cristo (Rm 6,6; Gl 2, 19; ICor 1-13)


5.Hoje o Crucificado é negado e renegado pelos cristãos, principalmente porque com seu voluntarismo, "entusiasmo", pragmatismo, pelagianismo de toda espécie, torna ilusória, teórica, imaginaria a soberania da cruz que distingue e faz inconfundível Jesus de Nazaré com outros fundadores de religiões, culturas, moralismos, filósofos e teólogos (não crucificados).

Nós queremos proclamar com toda a Igreja Latino Americana e do Caribe que: "Uma autêntica evangelização dos nossos povos envolve assumir plenamente a radicalidade do amor cristão que se concretiza no seguimento de Cristo na Cruz; no padecer por Cristo por causa dajustiça; no perdão e no amor aos inimigos. Esse amor supera o amor humano e participa do amor divino, único eixo cultural capaz de construir uma cultura da vida"(Ap 543). Portanto, evangelizar a Amazônia, através da "conversão ecológica", na experiência e na vivência apaixonada das exigências da "ecologia integral" é abrir um futuro de esperança firme para ela e para o mundo.

Hoje, dia do martírio de São João Batista "o maior dos profetas", São Beda Venerável comentando seu martírio nos diz:" O perseguidor não lhe disse que negasse a Cristo, mas que calasse a verdade.Cristo disse: " Eu sou a verdade"(Jo 14,6). Por conseguinte, morreu por Cristo, já que derramou o seu sangue pela verdade"(Homilia 23)

Anúncio do Blog