Coloque seu Email e receba os novos artigos:

Delivered by FeedBurner

About

Minha foto

  • FACCAT - Faculdades Integradas de Taquara
    • Letras, 2015 [em curso]
  • PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
    • Teologia, 2004 - 2007
  • SMME - Seminário Maria Mater Ecclesiae do Brasil
    • Filososfia, 2002 - 2003

Pesquisa:

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Padres e Drag Queen "celebram" Missa e debocham da liturgia da Igreja

Tento não falar muito dos sacerdotes católicos e seus malfeitos, mas sempre aparece algum que força a barra demais!

Em negrito, destaco a "ousadia" destes sacerdotes em conceder à drag queen o cálice com o Sangue de Cristo e a Eucaristia, funções EXCLUSIVAS do sacerdote.

Maus sacerdotes nem ligam para o que a Igreja manda fazer, apenas desejam fazer o que lhes dá na veneta.


Abaixo reproduzo a reportagem do site OPovoOnline.
***

Albert Roggenbuck, criador da Drag Queen Dindry Buck, muito atuante em Itaquera, São Paulo, foi convidado pelos padres   Paulo Sérgio Bezerra e Eduardo Brasileiro para ministrar a homilia em uma das missas do novenário de Nossa Senhora do Carmo.

O presidente da Celebração Eucarística ainda concedeu ao drag queen o cálice com o sangue de Cristo para ser erguido durante a missa, função exclusiva do diácono ou concelebrante , e o chamou para distribuir a comunhão aos fieis, serviço designado também a um  sacerdote ou a ministros extraordinários que passam uma séries de formações para cumprir a função.

Ao blog Mural da Folha de São Paulo padre  Paulo Sérgio Bezerra explicou que falta ousadia no trato da homossexualidade na liturgia.  “há pouquíssimas iniciativas mais ousadas aqui e ali, no sentido da homossexualidade. É um tabu e tratar disso num contexto litúrgico, uma aberração e ‘heresia’ para certo tipo de catolicismo acostumado a sublimar isso como coisa impura, e abraçar o sacrifício como legítima vontade de Deus é a melhor forma de prestar-lhe louvor”.

Alberto destaca o momento mias emocionante da  celebração: “Fui convidado para distribuir a comunhão e minha mãe recebeu o ‘Corpo de Cristo’ de minhas mãos, enquanto uma menina linda e talentosa cantava  ‘Paula e Bebeto’ de Milton Nascimento com o lindo refrão ‘Qualquer maneira de amor vale a pena’“, relembrou.

Nenhum comentário: