Coloque seu Email e receba os novos artigos:

Delivered by FeedBurner

About

Minha foto

  • FACCAT - Faculdades Integradas de Taquara
    • Letras, 2015 [em curso]
  • PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
    • Teologia, 2004 - 2007
  • SMME - Seminário Maria Mater Ecclesiae do Brasil
    • Filososfia, 2002 - 2003

Pesquisa:

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Dom Krieger: "a Igreja nunca escondeu o que pensa"

Confesso, sem medo, nunca fui entusiasta pela ortodoxia de Dom Murilo Krieger, sua vida pastoral parece, em várias ocasiões, ser contrárias ao que seria esperado de um epíscopo da Santa Igreja.

Nesta entrevista, no entanto, me surpreende a clareza ao citar o Catecismo da Igreja Católica ao responder sobre os homossexuais e o homossexualismo.
Como a Igreja Católica lida com a homossexualidade? É pecado? É uma desobediência a Deus e aos  mandamentos divinos? O homossexual deve ser acolhido pela igreja?
A igreja nunca escondeu - nem mudou - seu pensamento sobre a homossexualidade e os homossexuais. E, nesse campo, ela segue a prática de Jesus, que foi sempre contra o erro e o pecado e, ao mesmo tempo, sempre misericordioso com quem erra. Para ficar claro, o pensamento da igreja sobre essa questão, reproduzo o que se pode ler no catecismo da Igreja Católica: "Apoiando-se na Sagrada Escritura (cf. Gn 19,1-29; Rm 1,24-27; 1Cor 6,9-10; 1Tm 1,10), a tradição sempre declarou que os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados. São contrários à lei natural. Não procedem de uma complementariedade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados" (CIC, nº 2357). Quanto à acolhida pela igreja, o mesmo catecismo, em seguida, completa: "Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta" (CIC, 2358). (http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1694214-a-igreja-nunca-escondeu-o-que-pensa-sobre-homossexualidade)
Superando meu espanto (positivamente falando!), parece realmente difícil fazer entender estas palavras da doutrina da Igreja para os próprios fieis que recebem enxurradas de propagandas homossexuais diariamente. Em casa, no serviço, na escola e na rua... por onde você se encontre esta presente a propaganda "gay", algo diabolicamente orquestrado para confundir a cabeça dos filhos de Deus.
Lembro das palavras do Cardeal Burke numa entrevista sobre o próximo Sínodo das famílias:
Vejo gente que, consciente ou inconscientemente, estão levando adiante uma agenda homossexualista. Como isto esta organizado eu não sei, mas é evidente que há uma força deste gênero.
E falando sobre o Sínodo acrescenta:
 No Sínodo dissemos que falar de homossexualidade não tinha nada que ver com a família [...]
Este segundo trecho mostra o quanto alguns dentro da Igreja ainda mantêm a lucides de perceber que falar de homossexualismo não é a mesma coisa que falar de família. São dois assuntos diferentes, um fala de algo natural, divino (família) e outro de desordenamento interior... de pecado.

Nenhum comentário: