Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Incrível “Terra dos Homens”

Comemorando esta data memorável em que nascia um dos luminares mais brilhantes da literatura mundial, lembro uma das obras mais interessantes e incríveis deste escritor.saint-exupery
No ano de 1939 era lançado pela Editora francesa Éditions Gallimard Terre Des Hommes, em português, “Terra dos Homens”, uma obra a primeira vista – ou lida – pálidamente simples, mas que encerra não somente a visão realista e analítica de Saint-Exupéry como sua profunda espiritualidade.
Sempre me impressionou a preocupação deste autor em fazer notar sua visão sobre a falta de profunda interioridade dos homens e mulheres de seu tempo, algo que só fez piorar de lá para cá, decepcionando, acredito eu, a Saint-Exupéry por talvez imaginar que as coisas melhorariam com o passar das décadas. Esta sua visão é realista ao passo que brinda os leitores com profundas reflexões concernetes a necessidade de vida interior. No final de seu livro Terre Des Hommes, ele esccreve:
O mistério está nisso: eles se terem tornado esses montes de barro. Por que terrível molde terão passado, por que estranha máquina de entortar homens? Um animal ao envelhecer conserva a sua graça. Por que a bela argila humana se estraga assim? (…)
O que me atormenta, as sopas populares não remedeiam. O que me atormenta não são essas faces escavadas nem essas feiúras. É Mozart assassinado, um pouco, em cada um desses homens.
Só o Espírito, soprando sobre a argila, pode criar o Homem.
Digo que de forma bastante contemplativa sobre a realidade triste do ser humano sem Deus, terminou este seu escrito. No entanto, vejo aí muitas reflexões que somos quase que obrigados a fazer, mesmo que de maneira simples e sintética.
Este grande mistério de que fala Saint-Exupéry nada mais é do que a misteriosa criação do ser humano, de seu surgimento sobre a terra, de como esta espécie chamada “homem” começou a existir e habitar neste planeta. Por mais que a ciência avance continua sendo um mistério nas várias particularidades desta existência… pois, é fácil rebaixar a vida humana a um complexo de céluas aglutinadas, emarranhadas, combinadas, algo que quase matematicamente daria o resultado que hoje vemos, mas esquece-se que a matemática não forma a vida humana em sua complementariedade.
Esta vida humana, tão bela e complexa, é presa fácil a corruptibilidade, tornando o ser humano alguém de fácil manuseio, como uma argila ainda úmida, sem a concistente firmeza no molde ideal. Quem estraga tanto este exemplar humano? Que “máquina” é esta que deforma a vida humana? Não seria por acaso aquele que pretende desfazer a beleza do criador desta natureza?! Ou seja, não seria esta “máquina” maldita o próprio Mal personificado, isto é, o Demônio?! Como acredito que Saint-Exupéry era muito espiritualizado por causa de sua fé (baseado no que já li de suas cartas de infância e juventude enviadas à sua mãe), não tenho medo de errar ao dizer deste modo. O escritor inebria todos os seus escritos de uma espiritualidade cristã bastante clara, até enfadonha aos displicentes.
Realmente, sente-se nas letras desta “alma escrita” o sentimento de frustração pela degradação cada vez maior do ser humano, e pior ainda, pela aparente indiferença deste ao abismo para o qual caminha como que anestesiado. “É Mozart assassinado, um pouco, em cada um desses homens”, desabafa Saint-Exupéry!
Que fazer? Quem ou o que pode devolver a dignidade a estes homens? Quem pode orientá-los novamente? Quem pode tirar-lhes da anestesia mortífera do nihilismo moderno? Parece clara a resposta para Saint-Exupéry: quem criou o ser humano em sua completude, ou seja, Deus.
_____________________________
Obra citada neste artigo: SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. Terra dos Homens. Ed. Nova Fronteira, 1986, 27ª.

Nenhum comentário: