Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

domingo, 21 de junho de 2015

Cardeal Sarah destaca a dignidade da Liturgia

Cidade do Vaticano | 15-06-2015, Gaudium Press
Um artigo escrito pelo Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Robert Sarah, sobre a Declaração Sacrosanctum Concilium do Concílio Vaticano II constitui uma bela síntese do valor e dignidade da Liturgia católica. "O Concílio quer que contemplemos o que é em essência", afirmou o Cardeal. "A prática da Igreja sempre vem daquilo que recebe e contempla a revelação".
O texto do Concílio estudado pelo Cardeal em seu artigo "A Ação Silenciosa do Coração" recorda que existe "uma continuidade entre a missão de Cristo Redentor e a missão da liturgia da Igreja. Os sacramentos são os canais dispostos por Cristo para que os apóstolos continuem sua missão e por esta razão "implementar a Liturgia não é nada mais que implementar a obra de Cristo", explicou o prefeito. "A Liturgia é em essência Actio Christi, o trabalho da redenção humana e a perfeita glorificação de Deus".
A missão da Igreja é entrar nesta ação direta de Cristo e reconhecê-lo como "sumo sacerdote, o verdadeiro sujeito, o ator real da Liturgia", acrescentou o Cardeal Sarah. "Se este princípio vital não é recebido em Fé, é provável que se faça da Liturgia uma obra humana, uma autocelebração da comunidade". A comunidade não é a que faz a liturgia, nem a participação ativa deve interpretar-se como uma "necessidade de fazer algo". Em seu lugar, trata-se de "deixar que Cristo nos tome e nos associe com seu sacrifício".
Para o Cardeal é importante recordar que na celebração da Eucaristia de frente para o povo o sacerdote atua em pessoa de Cristo Cabeça e busca facilitar que os fiéis sejam motivados a um encontro frente a frente com Deus que "através da graça do Espírito Santo, se converta em um coração a coração". Sendo o centro da celebração Deus mesmo, o Prefeito indicou que a liturgia do Oriente (na qual o sacerdote dá as costas ao povo) é consistente com o significado do que busca a Liturgia e sugere que "esta forma de fazer poderia ocorrer apropriadamente nas Catedrais onde a vida litúrgica deve ser exemplar".
Silêncio e admiração
O purpurado fez um chamado à necessidade de manter o ambiente de recolhimento e oração durante a Liturgia, e expressou que a influência da cultura ocidental, influenciada pela técnica e os meios de comunicação, tentaram transferir para a Liturgia objetivos externos, como a pedagogia e a convivência, que algumas vezes permitem a introdução de "elementos profanos" e celebrações "espetaculares", evidenciadas em gestos como os aplausos. "Se acredita que isto motiva a participação dos fiéis, quando na realidade reduz a Liturgia a um jogo humano".
Como elemento essencial do ambiente próprio da celebração litúrgica, o Cardeal Sarah destacou o silêncio. "A Liturgia nos põem na realidade em presença da transcendência divina. A participação significa renovar-nos no verdadeiro 'estupor' que São João Paulo II tinha em alta estima", indicou. "Esta admiração sagrada, este temos gozoso, requer nosso silêncio diante da Divina Majestade". O silêncio é na realidade uma das formas de participação descritas pelo Concílio, recordou.
O Cardeal Sarah destacou a unidade e continuidade entre as formas de celebrar a Eucaristia e pediu que este mesmo espírito se manifeste entre os fiéis de forma que a Liturgia não seja em nenhum caso um "espaço de rivalidade e crítica", mas uma participação da liturgia da Jerusalém Celestial. (GPE/EPC)
===
Print Friendly and PDF
_______________________________________________________________
ANÚNCIO DO BLOG $$$ Confira a promoção na página Loja e Negócios $$$
_______________________________________________________________

Nenhum comentário: