Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Cardeal Donald Wuerl: Ninguém tem poder de mudar a moral da Igreja

Do site InfoCatólica | Tradução do espanhol Blog VALDERI
O cardeal indica que todas as “instituições da Igreja – suas paróquias, escolas, universidades, organizações caritativas, centros de cuidado de saúde e mais – devem refletir uma verdadeira identidade católica em
comunhão visível com a Igreja, tanto universal como local, e fidelidade ao ensinamento católico”.
O purpurado recorda que na “recente legislação de várias partes de nossa nação estão se fazendo esforços para forçar a Igreja a aceitar em nossas faculdades de ensino como empregados e pessoal de serviço de caridade aqueles que vivem de uma maneira publicamente contrária aos ensinamentos da Igreja”. E acrescenta:
“A Igreja não obriga aos outros a crer ou viver de acordo com sua doutrina. Mas sim pedimos e insistimos na liberdade apresentar e demonstrar publicamente nossa fé em nossas escolas católicas e instituições baseadas na fé”.

MISERICÓRDIA, PERDÃO E FIDELIDADE
Após recordar que todos somos pecadores, o cardeal Wuerl adverte que não é o mesmo pecar que “a decisão de recusar as obrigações específicas, os ensinamentos, os mandamentos e os requesitos estabelecidos pelo Senhor”.
O cardeal recorda seus primeiros anos como sacerdote:
“Quando eu era um jovem sacerdote nas décadas de 1960 e 1970, houve muita experiência e confusão na Igreja. Os professores e o clero foram incentivados por alguns a comunicar uma experiência de amor de Deus, mas fazê-lo sem referencia ao Credo, aos Sacramentos, ou a tradição da Igreja. Não funcionou muito bem. Os católicos cresceram com a impressão de que nosso patrimônio era um pouco mais que sentimentos cálidos, vagamente positivos a cerca de Deus”.
E acrescenta:
“Esses anos de experiência deixaram muitos católicos espiritual e intelectualmente débeis e incapazes de resistir ao tsunami do secularismo que se produziu nas últimas décadas. Perdemos muita gente porque não conseguimos ensiná-los sobre o certo e o errado, o bem comum, a natureza da pessoa humana. Isto deixou muitos sem capacidade de admitir que somos pecadores que necessitam de Jesus porque muitos já não sabem o que é o pecado”.
É por isso, assegura o cardeal, que agora é tão necessária a nova evangelização, para o qual é “crucial que reafirmemos e fortaleçamos nossa identidade católica e que nossa liberdade para fazê-lo seja respeitada na sociedade e na lei”.
“Temos recebido algo na Igreja que não é nosso”, afirma o Arcebispo de Whashington. “Como fieis servos seus, somos responsáveis diante do Senhor, não diante das demandas contrárias da cultura. Devemos permanecer conectados a Cristo e ser fieis a missão que nos incumbiu”.

LIBERDADE RELIGIOSA
O cardeal afirma que de acordo “com a liberdade religiosa garantida pela Primeira Emenda (N.T. da Constituição dos EUA), as organizações católicas devem ter liberdade para operar pelos princípios da fé católica, não devem ser forçadas a aceitar pontos de vista morais do governo, e não devem ser obrigados a proporcionar uma plataforma para pessoas que se opõe tanto por palavra como por obra à missão da Igreja”.
O purpurado adverte que termos como “anti-discriminação”, “direito para decidir” e “direitos humanos” foram distorcidos e são usados para atacar a liberdade religiosa.
Como exemplo, o cardeal menciona o aborto:
“Podemos abraçar alguém que cometeu um aborto. Mas não podemos proclamar que o assassinato de uma criança no ventre é bom. É injusto que alguém insista que o façamos com o pretexto de evitar a discriminação. Devemos permanecer fieis ao que somos”.

ADAPTAR-SE AOS TEMPOS
O cardeal Wuerl aborda a teoria de que a Igreja deve mudar e adaptar-se aos tempos:
“Jesus não mudou sua mensagem só porque alguns dos que o ouviram creram que eram palavras duras (cf. Jo 6,60). Ninguém deveria surpreender-se de que a Igreja siga sendo fiel ao Evangelho de Jesus, a Sua doutrina. E depois, é Sua mensagem, Sua Igreja. Muito menos nós somos livres para mudá-lo”.
E insiste em que se deve respeitar a postura da Igreja em questões morais:

“Mesmo que as pessoas possam estar em desacordo com nós e optar por seguir seu próprio caminho moral, o respeito à liberdade de escolher não deve implicar que nós deixemos de lado nossas próprias convicções religiosas e nossa liberdade com o fim de satisfazer todas as demandas dos que tem outras crenças. A liberdade de escolher para uns não pode significar que outros não tenham liberdade de escolha. Em particular, não é o papel do governo substituir nossa moral por seu próprio juízo e ditar que visão moral é permitida e qual não é”.
===
Print Friendly and PDF
_______________________________________________________________
ANÚNCIO DO BLOG $$$ Confira a promoção na página Loja e Negócios $$$
_______________________________________________________________

Nenhum comentário: