Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 12 de março de 2015

Cardeal Sarah: “Faço parte daqueles – e somos muitos – que não permitirão que a pastoral substitua a doutrina”

Por Tempi.it | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com
Família, Homossexuais, divorciados recasados. “A Igreja já está aberta, e sem doutrina é uma casa que desmorona».

Cardeal Robert Sarah, nº 4 da Cúria, fala do Sínodo. E não só: “É uma pena que o amor pelo Papa Francisco fique apenas num nível superficial.”

“Eu faço parte daqueles – e somos muitos – que não permitirão que a pastoral substitua a doutrina”. Assim o Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, declarou ao Journal du Dimanche, em uma longa entrevista. O cardeal Africano, definido como “o número quatro da Cúria”, conselheiro do Papa Francisco no que diz respeito à sua viagem à África em dezembro, se estendeu sobre os temas da família, da política e do Sínodo Ordinário e Extraordinário.

“A TRADIÇÃO É UM TESOURO.”  A quem lhe pergunta se a Igreja Católica deve abrir-se sobre temas como a comunhão aos divorciados novamente casados, uniões gays ou novas famílias, responde: “Mas a Igreja já é aberta! Os divorciados têm o seu lugar, assim como seus filhos. Mesma coisa para os homossexuais, que devem ser acompanhados em seu caminho de fé. Mas, agora se fala de abri-la ainda mais. A tradição é um tesouro a ser preservado (…). Por que a Igreja, que agora está entrando no terceiro milênio de sua história, deveria mudar? Sobre essas questões acima citadas, Deus é claro. A família é composta por um homem e uma mulher. João Paulo II falou de forma inequívoca sobre os que se casaram novamente. Eles não podem receber a comunhão. “

“É O PAPA QUEM DECIDE”. Sarah foi nomeado bispo em Guiné há 34 anos por João Paulo II e feito cardeal em 2010 pelo Papa Bento XVI. O arcebispo emérito de Conakry é bem preciso a respeito do Sínodo: “O Sínodo não tem qualquer poder doutrinal, mas apenas pastoral. Os bispos fazem discretamente algumas propostas ao papa. Trata-se de exortações. O cuidar de alguém é tarefa da pastoral, mas a composição do medicamento diz respeito à doutrina. Em última análise, é o Papa quem decide. A doutrina é o fundamento sem o qual a casa se desmorona”.

“CONTRA A ONU”. Como africano, o cardeal tem muitas críticas a fazer ao Ocidente: “Pessoalmente, estou empenhado contra a chantagem das Nações Unidas, que quer impor o culto da ideologia de gênero aos países africanos em troca de ajuda ao desenvolvimento. Procuram impor uma visão da família ocidental. (…) Toda a moralidade, todos os valores cristãos foram relativizados. Os jovens já não têm mais pontos de referência. Não é atacando a família que se protege a sociedade. Eu diria que é o contrário. A família é a célula humana mais atacada no Ocidente, até mesmo do ponto de vista financeiro e econômico. Eu acho que, como cristão, é hora de colocar Deus no centro da sociedade.

“A IGREJA NÃO FAZ POLÍTICA”. Na verdade, neste momento o Ocidente vive “uma crise antropológica”, “uma sociedade sem Deus, uma sociedade secularizada não pode satisfazer as necessidades do homem”. Mas a Igreja não faz política, Jesus “não se ocupou com o Império Romano”, “nossa batalha é Cristo, o nosso ponto de referência é o Evangelho”. Isso não significa não se preocupar com o que acontece na sociedade. Na França, vocês se manifestaram contra a vontade de legislar e impor aos outros essa visão ocidental do mundo”. Assim como na Guiné “eu resisti a um poder que queria destruir a Igreja.” Mas a Igreja não envia mensagens políticas”, deve “formar, educar, tratar.”

“AMOR SUPERFICIAL”. Segundo o cardeal Sarah, é isso que ocorre com o Papa Francisco: “Os meios de comunicação decidiram que este Papa é político. Mas para mim não é assim. (…) Nós estamos muito contentes [por sua enorme popularidade]. Embora às vezes eu lamente que esse amor é um tanto superficial”. Os fiéis se esmagam para ver o Papa, para tocá-lo, tirar fotografia, mas logo em seguida os padres italianos constatam que suas igrejas estão se esvaziando… “.

Nenhum comentário: