Coloque seu Email e receba os novos artigos:

Delivered by FeedBurner

About

Minha foto

  • FACCAT - Faculdades Integradas de Taquara
    • Letras, 2015 [em curso]
  • PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
    • Teologia, 2004 - 2007
  • SMME - Seminário Maria Mater Ecclesiae do Brasil
    • Filososfia, 2002 - 2003

Pesquisa:

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Sabedoria humana & Sabedoria divina [parte II]

Faz algum tempo que escrevi algo sobre a sabedoria humana vs. sabedoria divina... não que deseja colocá-las como inimigas, como num jogo. Isto seria já - como havia dito - um suicídio intelectual, visto que nada se compara com uma sabedoria divina, ou melhor, com "a" sabedoria divina.
Dizia naquele tempo que a sabedoria humana é parca ao lado da divina por motivos óbvios, pois a capacidade do ser humano é limitada e ninguém ousa dizer o contrário. Mesmo que a ciência deste século tenha alcançado um relevante nível de descobertas sobre a capacidade intelectual do ser humano, ainda não deixa de ser um grão de areia no deserto divino. Parece um tanto inútil trazer a baila este assunto, mas penso nas inúmeras atitudes humanas que não deixam de expressar um menosprezo total desta brutal, infinita e indiscutível diferença. Pessoas que no apogeu de seu orgulho, transpirando arrogância, eliminam em si e por si, qualquer possibilidade de que exista tal sabedoria divina que sobrepõe-se a nossa frágil e pouco cultivada sabedoria humana.
São exemplares curiosos desta espécie humana que vangloriam-se do pouco que alcançam, e que neste pouco sentem-se tão acomodados e seguros que ficam cegos a necessidade de algo superior, algo que deveria ser como que meta a buscar, não como algo que se conquista, mas como a motivar a verdadeira corrida da vida, pois é interessante perceber que é ao longo desta "corrida", desta "busca pela meta" que refinamos a sabedoria, ou seja, vamos enquanto buscamos o superior nos tornando mais sábios. Gosto de pensar no já mundialmente famoso Caminho de Santiago, um longo trecho saindo da França e chegando a Santiago de Compostela. Muitos relatos de quem fez este caminho revelam que aquilo que interiormente se buscava não fora alcançado na chegada, mas sim foi se revelando ao longo do caminho, nesta experiência singular com todos as alegrias e sofrimentos de tal peregrinação.
Acredito que não podemos mirar alguém e rotulá-lo como o grande exemplo de sabedoria, pois esta se revela no caminho da vida, não se trata de um Certificado Acadêmico que possa receber, mesmo que se tenha muitos anos de estudo sempre se estará caminhando nesta peregrinação.
Simplesmente por este motivo julgo um engano total buscar a sabedoria em posições sociais, culturais ou acadêmicas, pois podem muito bem refletir um desdém da própria sabedoria enquanto tal. Já é claro que conhecimento não equaciona-se inevitavelmente a sabedoria, existem inúmeras variáveis que colocam em "xeque" esta ideia. No alto de sua arrogância homens diplomados lançam olhares de "adorem-me" a qualquer estudante ou "reles mortal" que se aproxime deles, uma atitude de quem acomodou-se no banquinho no meio caminho e ali parou, desistindo de trilhar o caminho da sabedoria, pois basta-se a si mesmo, sem necessidade de simplificar o conhecimento adquirido.
Sempre tentei ver a sabedoria como algo possível ao ser humano, mas a cada dia percebo que somente o Ser Onisciente por natureza é capaz de saber-se de si e do mundo, de forma a simplificar a própria complexibilidade do universo.

Nenhum comentário: