Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 10 de janeiro de 2015

Organização norte-americana indica que “o pior ainda está por vir” em relação à perseguição contra os cristãos

WASHINGTON DC, 09 Jan. 15

(ACI/EWTN Noticias)

Em seu relatório anual sobre os 50 países onde é mais difícil e perigoso ser cristão, a organização norte-americana Open Doors (Portas Abertas) advertiu que apesar da perseguição contra os cristãos ter alcançado níveis históricos em 2014, “o pior ainda está por vir”.
De acordo com a organização internacional, cerca de 100 milhões de cristãos são perseguidos em todo o mundo, o que os converte em um dos grupos religiosos mais perseguidos.
A fonte de maior perseguição em 40 dos 50 países foi o extremismo islâmico.
David Curry, presidente e chefe executivo do Open Doors, advertiu que “inclusive em estados com maioria cristã, estão experimentando níveis de exclusão, discriminação e violência sem precedentes”.
“A Lista de Vigilância Mundial 2015 revela que um número surpreendente de cristãos está se convertendo em vítima da intolerância e violência devido a sua fé. Estão sendo forçados a serem mais reservados em relação à própria fé”, assinalou.
Por décimo terceiro ano consecutivo, a lista do Opens Door está liderada pela Coréia do Norte, imediatamente seguida pela Somália e depois pelo Iraque.
Open Doors advertiu que “a África viu o mais rápido crescimento de perseguição, enquanto que o Oriente Médio viu ataques dirigidos, resultando em um êxodo em massa de cristãos”.
Sobre o Oriente Médio, a organização recordou que “mais de 70 por cento dos cristãos fugiram do Iraque desde 2003, e mais de 700 mil cristãos abandonaram a Síria desde que começou a guerra civil em 2011”.
Além disso, indicou que o Afeganistão, em quinto lugar em sua lista, e Paquistão, em oitavo, “cresceram em perseguição”.
Sobre a África, Open Doors assinalou que “por terceiro ano consecutivo, a maioria das nações africanas na Lista da Vigilância Mundial subiu na classificação devido ao extremismo islâmico”.
Quênia foi a que mais subiu na lista ao passar do 43º lugar ao 19º, enquanto o Sudão e a Eritreia reingressaram à lista dos 10 países mais perigosos. Nigéria, por sua parte, apareceu pela primeira vez entre os 10 primeiros.
Open Doors assinalou que na Ásia “a Coréia do Norte continua sendo o lugar mais perigoso e difícil para ser cristão”, informando que cerca de 70 mil cristãos estão na prisão por causa de sua fé.
“As condições também estão piorando para os cristãos ao longo da Ásia”, indicou a organização, destacando o caso da Índia, no 21º lugar, onde “a perseguição é dirigida pelo extremismo islâmico e pelo fundamentalismo hindu”.
Curry explicou que o propósito desta lista é “manter a perseguição dos cristãos no radar daqueles que gozam dos privilégios da liberdade”.
Aqueles que cometem a “perseguição precisam saber que o mundo está observando e que se mantém em oposição à perseguição. E para os perseguidos, queremos que saibam que não são esquecidos”.
Open Doors explicou que a perseguição contra os cristãos é definida como “qualquer hostilidade experimentada como resultado da identificação da pessoa com Cristo. Exemplos recentes incluem prisões, torturas, decapitações, sequestros e perda da casa e bens”.
A organização internacional assinalou que embora a perseguição violenta seja a mais divulgada pelos meios de comunicação, em muitos casos os cristãos sofrem exclusão em suas famílias, perda de empregos e inclusive rejeição de sua comunidade, por causa de sua fé.

Nenhum comentário: