Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Pistoleiros também mandam flores... ou não!

A pouco terminei de ler um pequeno livro do jornalista e ao que parece também escritor, David Coimbra.
Sob título de "Pistoleiros também mandam flores", o autor desvela nada mais do que sua própria filosofia - se é que se pode chamar assim! - de como viver a margem da responsabilidade, banalizando estruturas que ao longo da história da humanidade se solidificaram porque justamente nascem de um apelo urgente, e posso dizer também natural, do ser humano. Coisas como casamento, justiça e respeito indiscutível a religião e a Sagrada Escritura fazem parte não de uma ideologia momentânea, mas de algo que permanece a muito custo na humanidade, fruto de uma conquista dela mesma, pois o ser humano conseguiu se ver não solitário neste mundo, mas acompanhado de um Deus que se revela a ele, revelação esta contida inegavelmente nas palavras da Sagrada Escritura. O mesmo ser humano que, graças a este desenvolvimento de sua dimensão espiritual, conseguiu compreender e solidificar o relacionamento monogâmico - ironizado nesta obra -, algo basilar para o crescimento de uma sociedade sadia, onde sobrevive a estrutura familiar, célula da sociedade.
Claro que não estou julgando o escritor pelo conjunto de sua obra, apenas fazendo um comentário deste livro específico, que apesar de ter um viés humorístico, discursa negligentemente sobre a licitude de orgias, assassinatos, desrespeitos, enfim, uma tentativa de apregoar argumentos para uma vida inidônea.
Diante de toda a trama, os discursos com ares de intelectualidade do personagem Nico, amigo de Régis Rondelli, demonstra de maneira bastante clara a postura presente nesta obra específica. O próprio modo de viver do assassino Aníbal nos faz ver a corruptibilidade da filosofia presente no livro. Ali encontramos o miserável repórter Régis, que quase por acidente esta no centro da trama, ele sim parece salvar um pouco a licitude da visão sobre casamento, justiça e amor, apesar de aparentemente concordar com Nico e Aníbal no quesito vida loka.
Sobre o autor - que se demonstra incansável no assunto "mulheres" - realmente gostaria que tivesse mais cuidado ao entrar em campos que possivelmente não domina o suficiente, pois a censura estará sempre presente e não só isso, mas o que deve ser temido por todos os escritores, o rótulo de "irresponsável intelectual". Demonstro: num dos discursos de Nico ao amigo Régis, o autor coloca na boca de Nico - aparentemente um razoável leitor de livros - a vida de Santo Agostinho de Hipona, usando de tal forma a vida deste magno doutor da Igreja para justificar sua vida devassa, fazendo aparentar que o próprio Agostinho legitima esta vida, mesmo depois de sua conversão ao cristianismo, o que tornou o grande defensor da moral cristã.
Por fim, o assassino não manda flores para ninguém... talvez uma brincadeira do autor!
Não posso jogar a vida dos personagens na vida do autor, evidente. Faço este comentário porque desejo compartilhar minha opinião sobre esta obra.

Nenhum comentário: