Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Comentário ao Evangelho de hoje de Santo Agostinho


Comentário do dia por Santo Agostinho (354-430)
Bispo de Hipona (Norte de África), Doutor da Igreja
Tratado antidonatista «Contra as cartas de Petiliano» livro 2, §87

«Todos os profetas e a Lei anunciaram isto até João»

Até João Baptista, a Lei e os profetas comportavam prefigurações que tinham como objectivo anunciar o futuro. Já os sacramentos da nova Lei, os sacramentos do nosso tempo, atestam a vinda daquele que os antigos proclamavam que viria. E, de todos os percursores de Cristo, João foi o mensageiro que O anunciou de mais perto.

Porque todos os justos e todos os profetas dos séculos anteriores tinham desejado ver a realização daquilo que já discerniam no futuro de que o Espírito Santo levantara o véu. O próprio Senhor Jesus Cristo o disse: «Muitos profetas e justos desejaram ver o que estais vendo e não viram, e ouvir o que estais ouvindo e não ouviram» (Mt 13,17). Foi por isso que se disse de João Baptista que ele era «mais do que um profeta» e que «entre os nascidos de mulher não apareceu ninguém maior» (Mt 11,9-11).

Com efeito, os justos dos primeiros tempos só haviam podido anunciar Cristo; João Baptista, por seu lado, teve a graça de O anunciar ainda ausente e de O ver finalmente presente. Ele viu Aquele que os outros haviam desejado ver. É por isso que o sinal do seu baptismo ainda pertence ao anúncio de Cristo que está para vir, mas já no limite da espera. Até ele, houve predições da primeira vinda do Senhor; agora, depois dele, já não se prediz a vinda de Cristo, proclama-se essa vinda.

Nenhum comentário: