Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Dom Zeno: “A Bíblia nos quer levar à conversão”

Reproduzo o artigo de Dom Zeno Hastenteufel, bispo da Diocese de Novo Hamburgo, em ocasião do Dia da Bíblia.

***

dom_zeno

O último domingo de setembro é sempre o Dia da Bíblia. Trata-se de uma referência especial a São Jerônimo, cuja data nós celebramos no dia 30 de setembro, o dia da secretária ou do secretário, precisamente porque este santo, em vida, fora secretário do Papa Dâmaso, em torno de 370-380. Depois ele foi encaminhado para a Palestina a fim de estudar as línguas bíblicas e providenciar uma tradução oficial da Bíblia para o latim. Com 40 anos de trabalho, estudo, pesquisa e tradução, estava pronta a Vulgata: uma Bíblia em latim, num manuscrito de belíssima apresentação. Esta Bíblia se tornou sempre referência para qualquer dúvida. Desta tradução, a Igreja passou a extrair os textos para a liturgia e para as orações.

Já a liturgia deste domingo nos fala diretamente da conversão, do arrependimento e da mudança de vida. O Profeta Ezequiel tem consciência de que nunca é tarde para se arrepender e trabalhar na conversão, senão vejamos: “Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá e não morrerá” (Ez 18,27-28). Certamente esta era uma pregação nova e revolucionária em sua época porque naquele tempo não se acreditava muito no perdão e na conversão.

Na carta aos Filipenses, São Paulo vê na encarnação do Verbo o supremo sinal de humildade e de esforço para a conversão da humanidade: “Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, mas esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz” (Fil 2, 6-8).

Da parte de Deus, temos o gesto supremo de amor pela humanidade, ao assumir carne humana em Jesus, tornou-se igual aos pobres homens pecadores, unicamente para poder salvá-los e recuperá-los para a vida eterna.

Mas, a ideia de arrependimento e mudança de atitude volta com toda a força no evangelho deste domingo: “Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, lhe disse: ´Filho vai trabalhar hoje na vinha!´ O filho respondeu: ´Não quero´. Mas, depois mudou de opinião e foi. O pai dirigiu-se ao outro filho e lhe disse a mesma coisa. Este respondeu: ´Sim, senhor, eu vou´. Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai” (Mt 21,28-31)?

Este filho, que a princípio não queria obedecer, ele se arrependeu e foi trabalhar. Este agradou ou ao pai e recebe elogios. Jesus mesmo diz que este se parece aos que se arrependeram diante da pregação de João Batista e se encaminharam na conversão.

____________

Fonte: www.mitranh.org.br

Nenhum comentário: