Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 15 de abril de 2014

Páscoa: os enganos [parte 2]

Os chamados “Testemunhas de Jeová”, na sua pretensão de pureza, não celebram a páscoa como organizada pelo calendário gregoriano (que eles ignorantemente chamam de pagão). Dizem preferir comemorar a MORTE de Cristo (já que entendem que Jesus pediu que lembrassem sua morte, não sua ressurreição) conforme o calendário lunar, ou seja, no 14º dia do primeiro mês do ano judaico, que é o primeiro mês do ano no calendário lunar, chamado de Nisan. Mas na realidade, mesmo a morte de Jesus não se deu no 14º dia, mas sim no 13º dia de Nisan, visto que os evangelistas nos dizem que os judeus pediram a Pôncio Pilatos que não deixassem o corpos expostos durante o sábado (dia 14 de Nisan), pois era a festividade da Páscoa.

Esses “Testemunhas de Jeová”, por ignorância ou mau estudo mesmo, acabam pregando mentiras como esta:

Testemunhas de Jeova - Farsa 01(Do site http://www.jw.org/pt) 

Como disse noutro post, muitos enchergam a própria Ressurreição de Cristo de modo limitado, diminuindo a reflexão na medida em que colocam energia no que não revela a luz do próprio fato.

Neste comentário que reconhi de um site oficial das “Testemunhas de Jeová”, encontramos duas mentiras: Que a Páscoa comemorada hoje não teria origem bíblica, e que o nome “páscoa” não reflete a realidade celebrada mas sim faz alusão ao paganismo, sendo assim, um erro chamar de “páscoa”.

Primeiramente, a Páscoa cristã, celebrada pela Igreja Católica, não pode ter outro fundamento senão a Sagrada Escritura. A celebração da páscoa é a celebração da vitória de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre a morte, com a sua ressurreição. Quem não vive a celebração da Páscoa são aqueles que facilmente falam asneiras como essas, de que a páscoa celebrada hoje, por nós, é sem fundamento bíblico. Toda a Semana Santa nos leva a passar dia a dia os passos bíblicos de Jesus até sua morte e ressurreição.

Seguindo a isso, vêm esta questão sobre o nome “páscoa”. Ora, páscoa vêm do hebraico Pessach que significa “passagem”, que passa pelo grego Πάσχα. Esse termo traz a alusão à páscoa dos judeus, que foram libertados por Deus da escravidão do Egito, passando da escravidão para a liberdade, de uma vida de morte para uma vida nova. Esta intimamente ligada à ressurreição de Jesus, pois com ela o Senhor nos faz passar da escravidão da morte para a uma vida nova, uma “vida ressuscitada” junto Dele.

Nenhum comentário: