Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 8 de março de 2014

Ano A - I Domingo da Quaresma

Mt 4, 1-11
Pe. Valderi da Silva

Estimados irmãos e irmãs.

Acredito que, especialmente nos dias atuais, todos desejam viver longe do mal, longe daquilo que nos leva a infelicidade, nos leva a decepção e depressão. Este desejo acompanha de modo geral a todos os que vislumbram um ideal maior para a vida humana, algo que não se resuma somente em nascer, comer, dormir e trabalhar, mas algo que expanda nosso sentido interior, algo que surja daquela dimensão que não vemos com o sentido externo. Todo ser humano arde interiormente pelo ideal eterno, pois seu espírito o expande para a eternidade.
Neste I domingo da quaresma, encontramos Jesus no deserto, sozinho, passando propositalmente as privações desta situação: cansaço, calor, fome, sede! E é quando Jesus esta fragilizado corporalmente, que o "pais da mentira", "o tentador", se aproxima Dele, para num esforço lotérico, tentar Jesus ao pecado. Nosso Senhor parece desejar ser tentado pelo Demônio, e nesta impressão logo vemos que o incitador do mal não consegue fugir ao poder de Deus, que sutilmente o usa contra ele mesmo, pois Jesus, superando as tentações, mostra a nos e ao próprio Demônio que a natureza humana é capaz de ser mais forte que a tentação ao mal, auxiliado pela graça divina.
No início lembrava do anseio natural do ser humano para a eternidade, ou seja, o mais perfeito mundo, a mais perfeita vida. Este anseio se transformará em grande decepção e depressão quando não se põe de pé contra o pecado, incitado de mil maneiras pelo "pai da mentira".
Neste tempo quaresmal é sempre válido lembrar de nosso necessário esforço por travar esta luta interior, uma luta que primeiramente é espiritual mas que não fica somente neste campo, pois se faz necessário o agir extra spiritus, ou seja, também fora da vida espiritual. De fato, esta necessidade nos leva a mudar nossa vida, mudar nosso modo de ver as coisas e se utilizar delas. Especialmente num mundo tão negligente quanto ao critério da bondade ou não das coisas, pensamentos e atitudes, é preciso ser mais seleto quanto ao que apoiamos, lemos, assistimos e transmitimos. Nossa postura perante as coisas que nos cercam acabam por revelar nosso comprometimento com esta necessária luta interior contra o mal, em vista de adorar somente a Deus e a Ele servi-Lo (cf. Mt 4,10; Dt 6,13).
É preciso saber que neste mundo, o Mal deseja que desafiemos a Deus a somente nos sustentar, a nos prover, a nos servir! É a inversão que deseja o Mal, mostrando que o ser humano está mais ao lado do dele que de Deus, que sabe obedecer mais as necessidades do corpo que a necessidade do espírito que anseia por viver e servir a Deus, donde veio! Por esta razão, nosso empenho nesta quaresma, posso se voltar nestas duas linhas de batalha: ESPIRITUAL e VIVENCIAL. Espiritual quanto ao cultivo da oração, das obras de piedade e misericórdia. Vivencial quanto a nossa postura frente as investidas do mundo e das pessoas do mundo, e especialmente através das obras de caridade que revelam nosso desprendimento e nossa luta contra o egoísmo e o orgulho.
O ser humano não precisa somente das coisas materiais para viver, em realidade, sua primeira necessidade é da Palavra de Deus, fonte da Vida, fonte do reto viver neste mundo sem se corromper (cf. Mt 4,4).

Nenhum comentário: