Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Jesus ressuscita vencendo a morte

“Jesus ressuscita vencendo a morte”

Novena em honra a Nossa Senhora de Lourdes

Paróquia Nossa Senhora de Lourdes / Varzea Grande / Gramado, RS

 

Estimados irmãos!

A fé cristã não está fundamentada sobre alicerce insólido, não está constituída de agradáveis imagens, como num conto de fadas. A fé cristã se fundamenta num acontecimento histórico que transcende a própria história – o tempo e o espaço. De modo que sabemos que esta fé, que ora professamos, é solidificada e subsiste no fato da Ressusreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. É nela que esta nosso eixo firme e constante, que faz com que tudo na vida cristã tenha verdadeiro sentido, sem medo de ilusões fantasiosas.

Esta ressusreição de Jesus começa a nos alentar pela feliz consequencia que dela veio: a destruição da morte como fim da existência!

No AT temos a imagem da entrada da morte como aparente realidade final da vida humana. Diz o livro do Gênesis, falando Deus à serpente:

Porei hostilidade entre ti e a mulher, entre tua linhagem e a linhagem dela. Ela te esmagará a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar. (3,15)

Com a entrada do pecado no mundo perfeito criado por Deus, o ser humano passou a ser vítima do incitador do mal, e ele feri a raça humana desde então com a corrupção, fazendo com que nossa vida aqui, neste mundo criado, seja passageira de modo que, é o mal o criador da morte, a serpente que feri a vida humana com a realidade da corrupção da própria vida. Mas vai além, pois esta morte extinguia do ser humano a existência integral na realidade eterna junto do Criador.

Considerando isto, compreendemos mais as palavras de São Paulo revelando a necessidade da vinda do Cristo Salvador, pois foi “na plenitude dos tempos que enviou Deus Seu Filho ao mundo” (cf. Gl 4,4), deixando visível a necessidade de que o próprio Deus agisse diretamente para restabelecer a criação corrompida pela entrada da morte no mundo, pois somente o Criador pode restaurar a obra corrompida pelo mal. Ainda São Paulo nos fala:

Eis por que, como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado a morte, assim a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram. (Rm 5,12)

Meus irmãos, desventuramente, por meio de nossos pecados a realidade da morte se faz presente no mundo. Não que sejamos o autor da morte, mas temos a herança infeliz do pecado conosco, marca triste e cruel em nossa natureza, que se revela a cada concordância nossa com a tentação do pecado. Por um ser humano inaugurou-se a morte no mundo criado, e por herança de nossa natureza a morte ainda permanece neste mundo. Mas algo mudou, e foi precisamente com a vinda do próprio Deus que se encarnou e nos mostrou a crueldade do pecado e derrotou a morte.

Por conseguinte, assim como pela falta de um só resultou a condenação de todos os homens, do mesmo modo, da obra de justiça de um só, resultou para todos os homens justificação que trloaz a vida. (Rm 5,18)

O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica nos fala que o alcance salvífico da ressurreição de Cristo, foi precisamente a vitória sobre o pecado e a morte (cf. n.131), pois foi com a Sua ressurreição que esta realidade deixou de ser o fim último do ser humano, ou seja, agora foi nos revelado a porta para a existência eterna junto de Deus. Esta realidade eterna sempre existiu, mas estava impedida ao ser humano precisamente pelo pecado que nos levava a morte, não somente para este mundo, mas para a vida eterna. Jesus Cristo Ressuscitado leva nossa natureza a esta vida eterna, abrindo-nos a porta definitva para o Reino de Deus. Não estamos mais destinados a viver poucos anos e morrer existencialmente, mas agora somos destinados para a eternidade!

Para o cristão a fé em Cristo Jesus é tão “natural” que por vezes acaba nem refletindo sobre como Nosso Senhor venceu o mal da morte e nos abriu a porta para a vida eterna. Dentro de alguns dias entraremos no ciclo quaresmal e logo depois virá a Semana Santa, momento em que somos convidados a viver os passos que Jesus fez para nos alcançar tamanha felicidade.

Refletir sobre o alcance da Ressurreição de Cristo nos deve mover ao reconhecimento de Sua obra e este reconhecimento deve se manifestar em assentimento e vivência. Pois, saber que a ressurreição de Jesus Cristo venceu definitivamente a morte não basta para que dela nos beneficiemos, é necessária uma adesão pela fé à verdade revelada com Sua encarnação especialmente a necessária luta contra o mal e o trabalho pessoal para vencer o pecado, caminhando assim na via da santidade.

Colocando-nos uma interrogação, poderíamos elaborá-la da seguinte maneira: vivemos como quem deseja usufruir de imensurável graça que nos conquistou Cristo Jesus? A vida ao invés da morte?

Como não podemos separar a Mãe do Filho, enxergamos em Maria, a prefiguração do ser humano perfeito, nosso destino de remidos pela Ressurreição de Cristo. Direcionemos a ela nossa oração, para que possa interceder por nós nesta via que precisamos trilhar com destino a eternidade junto de Deus.

Ave Maria...

Nenhum comentário: