Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

TRADUÇÃO DO ARTIGO «CARNIS RESURRECTIONEM» DO SÍMBOLO APOSTÓLICO

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

1. O artigo “Carnis resurrectionem” do Símbolo Apostólico foi traduzido até agora nas diferentes línguas de maneiras diversas:

- traduzindo literalmente o texto latino do Símbolo Apostólico[1];

- traduzindo o termo “carnis” com um termo equivalente[2];

- traduzindo o termo “mortuorum” tomado do artigo “Et expecto resurrectionem mortuorum” do Símbolo Niceno-constantinopolitano [3].

2. A questão da tradução do artigo “Carnis resurrectionem” do Símbolo Apostólico foi examinada pela S. Congregação para a Doutrina da Fé, que na própria reunião ordinária adotou as seguintes decisões, acompanhadas das concernentes razões teológicas.

Tais decisões, aprovadas pelo S. Padre no dia 2 de dezembro de 1983, na audiência concedida a Sua Eminência o Card. Joseph Ratzinger, Prefeito da referida Congregação, foi comunicada a este Dicastério por carta de 14 de dezembro seguinte (Prot. 121/75).

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

A) Decisões

1. Não há, em absoluto, razoes doutrinais contra a tradução “ressurreição dos mortos”, como se tal fórmula não expressasse a mesma fé expressada na fórmula “ressurreição da carne”, mas há uma convergência de razões teológicas conjunturais que incitam à conservação da tradução exata tradicional (literal).

2. Nas futuras traduções que forem apresentadas para sua aprovação eclesiástica, dever-se-á manter a tradução exata tradicional.

3. Onde a mudança foi autorizada, convirá comunicar aos bispos as razões que recomendam a volta à tradução exata tradicional.

B) Razões teológicas e conjunturais

Que induzem à conservação da tradução exata tradicional do art. do Símbolo Apostólico “carnis resurrectionem”.

1. As duas fórmulas “ressurreição dos mortos” e “ressurreição da carne” são expressões diversas e complementares da mesma tradição primitiva da Igreja, e, portanto, uma preponderância exclusiva ou total da fórmula “ressurreição dos mortos” constituiria um empobrecimento doutrinal. É verdade que também esta última contém implicitamente a afirmação da ressurreição corporal, mas a fórmula “ressurreição da carne”, como expressão, é mais explícita em afirmar o aspecto particular da ressurreição, como demonstra sua própria origem.

2. No abandono da fórmula “ressurreição da carne” está presente o perigo de encorajar as teorias modernas que põem a ressurreição no momento da morte, excluindo na prática a ressurreição corporal, especialmente de esta carne. Ante a difusão atual de uma semelhante visão “espiritualizante” da ressurreição, a SCDF pediu a atenção dos Bispos em sua Carta “sobre algumas questões referentes à escatologia” (17 de maio de 1979).


* Documenta, 249-251.

[1] Cf. tradução em língua italiana, francesa e portuguesa:

- “La risurrezione della carne” (Messale Romano, Conferenza Episcopale Italiana, 2ª ediziones, 1983, 306);
- “La résurrection de la chair” (Missel Romain pour les pays francophones, Paris, 1974, 11);
- “A ressurreição da carne” (Missal Romano, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Rio de Janeiro, 1973, 351).

[2] Cf. tradução em língua inglesa:

- “The resurrection of the body” (The Roman Ritual: Rite of Baptism for Children, English translation approved by the National Conference of Catholic Bishops and confirmed by the Apostolic See, New York 1970, 89).

[3] Cf. tradução em língua alemã e espanhola:

- “Auferstehung der Toten” (Messbuch für die Bistümer des deutschen Sprachgebietes, 1974 Teil 1,119);
- “La resurrección de los muertos” (Libro de la Sede, Secretariado Nacional de Liturgia, Madrid 1983, 394).

_____________________________

Fonte: http://www.vatican.va/roman_curia//congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19831214_carnis-resurrectionem_po.html

Nenhum comentário: